Minha Poesia

04
Ago 20

SEMPRE SOUBESTE

 

Sempre soubeste apaziguar

o turbilhão de sentimentos

E se a esperança chegar

não podem existir lamentos

 

Sempre soubeste ouvir

minha voz quando querias

Dela ficavas a rir

de todas as minhas tontarias

 

Sempre soubeste manter

o amor quando estava distante

Meu coração só queria ter 

o teu tão radiante

 

Sempre soubeste sorrir

quando eu regressava

Nunca me irias mentir

quando esse sorriso falava

 

Sempre soubeste esperar

por aquele momento certo

Demorou mais a chegar 

por eu não estar por perto

 

Obrigado meu amor

p´lo carinho e persistência

Tu deste algum sabor

à minha estranha resistência

 

de: fernando ramos

30.7.2005

 

publicado por Fernando Ramos às 21:00

Agosto 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO