Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

FERNANDO RAMOS

Minha Poesia

FERNANDO RAMOS

Minha Poesia

04
Abr18

826 - DEIXEM-NO RIR

Fernando Ramos

 

826 (2).jpg

 

  •   DEIXEM-NO RIR
  •  
  • Ao final da tarde
  • Quando o sol vai de abalada
  • Dá um prazer danado
  • Escutar algumas pérolas
  • De Jorge Palma
  • E nesse doce entardecer
  • A melodia entra sem bater
  • Sem precisar de se anunciar
  • Numa rádio qualquer
  •  
  • O artista deambula seu gozo  
  • E vai dizendo a alma poeta
  • Só como ele a espreita
  • É assim a velha estrada
  • De sua musica aromática
  • Que ao piano, ou à guitarra
  • Mostra a raça e o coração
  • Em teimosos poemas
  • Ao amor, e á vida
  •  
  • Vai suplicando pelos dedos
  • Num teclado de piano
  • Para o deixarem rir
  • Na voz que engrandece os génios
  • Tocando e escrevendo
  • O que nós ouvimos como
  • Uma perpétua sinfonia
  • Que passa por toda a existência
  • A nossa existência
  •  
  • E ao som de pura liberdade
  • De compor
  • Vai soluçando magia
  • No melhor que pode oferecer
  • Como se fosse um fetiche
  • De emoções dentro de sonhos
  • Que se vão ouvir e ler
  • Através dos tempos
  • E ele num espirito de saudade
  • Vai suplicando arduamente
  • Para o deixarem rir 
  •  
  • De: Fernando Ramos

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D