Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

FERNANDO RAMOS

Minha Poesia

FERNANDO RAMOS

Minha Poesia

417 - MEDOS QUE DANÇAM

Fernando Ramos, 27.09.21

 

 

MEDOS QUE DANÇAM

 

Minha casa é antiga e pobre,
nela deambulam pensamentos tristes
que só se perdem quando tenho de sair
porque a vida assim me pede

 

Numa viela da parte velha da cidade 
moro faz alguns anos
Aí, é onde meu destino está traçado, 
tocando meu coração de receios

 

Da minha janela,
vejo a taberna do homem que à noite 
na nossa cama modesta,
me tem quando quer. 
Naquela janela ouço vozes
de outros homens e mulheres 
embriagados, discutindo os problemas 
que a miséria lhes oferece sem retorno

 

Por baixo de minha janela,
à entrada do prédio, estão duas mulheres 
de vida fácil, vendendo seus pecados
a quem por ali passa, em quartos
soturnos e sombrios da casa ao lado 
Elas fazem-no, p’lo sonho de ganhar 
alguns trocos para a dose de heroina 
que seus corpos reclamam, dia a dia

 

Da minha janela,
vejo os medos da vida, medos que 
dançam no espirito de todos que por ali 
vagueiam na embriaguez da sua solidão
E eu, naquele lugar tenho imagens 
que violam meus pobres olhos, 
que apenas aguardam o regresso ansioso 
daquele que me vai aquecer o coração, 
e me faz louvar ao amor, 
que no nosso leito torna minhas noites 
menos tristes e sombrias

  

de: fernando ramos