Minha Poesia

15
Jan 21

 

 

A MINHA AMIGA FADISTA


Minha amiga cantarolava

poesia de fantasia

Ela que tanto amava

cantigas de muita alegria

 

Nos becos de Lisboa

era por onde andava

Passava p´las vielas na boa

e alguém por ela chamava

 

As janelas da Madragoa

se abriam de par em par

E de lá as pessoas pediam

um bonito fado fosse cantar

 

Policias e sopeiras

ouviam-na com emoção

Varinas e lavadeiras

choravam sem razão

 

Quando minha amiga cantava

na tasca de noites de lua cheia

A sardinha assada saltava

na brasa, pela hora da ceia


E naquelas noites de trova

muitos sorrisos havia

Por causa do vinho da uva nova

que o Zé Taberneiro vendia


E quando a manhã chegava

então tudo terminava

O pregão do carapau voltava

e a tasca do taberneiro fechava

 

de: fernando ramos

publicado por Fernando Ramos às 10:12

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Janeiro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

13

22
23

25
26
28

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO