Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

FERNANDO RAMOS

Minha Poesia

FERNANDO RAMOS

Minha Poesia

512 - BENFICA NO SEU ESTÁDIO DE OURO

Fernando Ramos, 31.12.21

  

512.jpg

  • BENFICA NO SEU ESTÁDIO DE OURO
  •  
  • Esperam por ti no Estádio de ouro
    Lá, a lealdade não é palavra vã
    O Benfica tem na força seu tesouro 
    Inspirando-se nela p´ra vitória sã
    Este clube é o açúcar do povo
    E na elegância tem a honra dum campeão 
    Se ganhar, não é nada de novo
    E a história registará mais essa lição
  •  
  • Esperam por ti no campo de ouro
    Com vitórias que pulam de emoção
    Correm e jogam, chutando no couro
    Entrando na baliza mais um golão
    Mas se a bola for bem caprichosa
    E nas redes não quiser entrar
    Faz-se outra jogada fina e espantosa
    E o golo acabará por ir lá morar
  •  
  • A vitória surgirá naturalmente
    Ao Benfica, levando dedicação 
    Pró povo que vibra árduamente
    P’lo glorioso clube do coração
    Choram e sofrem com ousada admiração
    Seus fiéis adeptos, por tanto encanto
    E p´la sua Águia, que é a pura paixão
    Guardam belas vitórias tidas em campo
  •  
  • Este é o clube que o mundo aclama
    Quando os atletas entram em cena
    Nas camisolas berrantes que se ama
    Vai o emblema num canto de poema
    E outra página da história é virada
    P’lo Vermelho e Branco, seu tesouro
    Toda a equipa que joga é brindada
    P'los adeptos no seu palco de ouro
  •  
  • De: fernando ramos
  •  

511 - MEU VIOLÃO

Fernando Ramos, 30.12.21

511 (1).jpg

  • MEU VIOLÃO
  •  
  • Toco o meu violão
    com prazer e fantasia
    As cordas deslizam
  • por minha mão 
    valsando notas,
  • de esperança e alegria
    Vai comigo p’ra todo lado,
    e dele nunca me vou separar
    Componho musicas
  • de algum pecado,
    que delas alguém vai gostar
  • O violão é a minha vida,
    e não o quero perder
    Tomei uma atitude decidida,
    que só o deixarei quando morrer
    Meu violão, meu grande amor,
    se vais embora eu vou sofrer
    Nunca me causes tal dor,
    porque de ti não quero padecer
  • Tu és o meu doce enlevo,
    que me fazes arfar, arfar
    Teus acordes me mantém sereno
    com vontade de te acompanhar
    Fazes de mim um virtuoso
    e por tuas notas ando a vaguear
    Tocas um chorinho carinhoso
    P’ra nossas vidas deslumbrar
  •  
  • de: fernando ramos
  •  

510 - SEDE DE DEUS

Fernando Ramos, 29.12.21

  

510 (1).jpg

  • SEDE DE DEUS
  •  
  • Vivi na longa escuridão
    E p’lo Divino fui iluminado
    Comigo morava a solidão
    E agora de fé, estou tocado
    Ele mostrou-me, o que não queria ver
    E fiquei deveras preocupado
    Por tanto tempo andar a perder
    Sem seu amor então encontrado
  •  
  • Neste meu brando despertar
    Minha vida totalmente mudou
    A luz que minha alma veio habitar 
    Faz-me revelar, que só não estou
    Agradeço ao Altíssimo Deus
    Por tanta bondade sua
    Amo outros irmãos meus
    E a escuridão por mim recua
  •  
  • Agora, sou escravo da alegria
    E pró futuro despertei
    Terminou minha agonia
    Em solidão não mais viverei
    Na minha busca de verdade
    A sede de Deus fui encontrar
    A ele, devo minha liberdade
    P’ra sempre o irei amar
  •  
  • De: fernando ramos
  •  

509 - SOMOS FILHOS DE OPERÁRIOS

Fernando Ramos, 28.12.21

  

509 (1).jpg

  • SOMOS FILHOS DE OPERÁRIOS
  •  
  • Somos filhos de operários,
  • com muito orgulho
    E comemos o pão que o diabo amassou
    Meus pais, laboraram bem no duro
  • Até à velhice, que infelizmente terminou

  • Eram operários, e os filhos criaram
    Nossos pais de absoluto amor
    Por nós, muito se sacrificaram
    Dando-nos o difícil pão do seu labor
  •  
  • Recordamo-los
  • Com incomensurável saudade
  • E seu amor p’ra nós era a voz de Deus
    Deixaram em meu coração sua bondade
    Como a todos os outros, irmãos meus
  •  
  • Seus exemplos, é a nossa esperança
    E um dia, os voltaremos abraçar
    No céu, Deus lhes oferece a bonança
    Que a vida cá, não lhes soube dar
    Foram operários toda a sua vida
    Com dignidade, honra, e gratidão
    Deram-nos tudo, até à sua partida 
    Herdando nós,
  • Um mar de amor no coração
  •  
  • de: fernando ramos
  •  

508 - ESPELHO SEM DÓ

Fernando Ramos, 27.12.21

   

508 fr.jpg

  • ESPELHO SEM DÓ
  •  
  • Estás sentada, 
    e na tua frente o espelho
    Olhas o rosto, 
    e reparas nas tuas rugas, 
    e pensas: 
    Como o tempo passou meu Deus!
    E notas que ruga após ruga
    há nelas histórias de tua vida,
    escritas num livro 
    onde diariamente deixas momentos 
    vencedores e vencidos,
    até o inicio de vida a dois lá está
  • quando eram ingênuos, e daí?...
  • pensas!
  •  
  • Um grande amor te aconteceu
    e contigo vive até hoje,
    apesar de já ter passado alguns anos
    Anos de muitos altos e baixos,
    anos que trazem lembranças 
    de bons e menos bons registos
    Olhas p’ro lado do espelho
    e vês fotos de quando eras 
    muito mais nova
    Uma lágrima cai no teu infinito,
    e voa numa leve brisa de tristeza
  • De repente, te lembras dos filhos, 
    aí sorris... 
    Sentes saudades das suas meninices, 
    ou quando em bebés te sugavam os seios,
    na sua sofreguidão de viver , 
    oferecendo-te um feliz natal à vida
    Isso por momentos te conforta,
    mas novamente a tristeza surge
  • em teu rosto 
    Outra ruga que teimosamente se vinca 
    na tua pele, traz mais recordações 
    menos positivas, 
    como quando foi a saída 
    dos filhos do teu lar, 
    porque também eles 
    encontraram o seu grande amor
  •  
  • E outra lágrima acontece, 
    mas esta não chega 
    ao teu infinito diário de recordações
    Porque apesar de estares menos jovem,
    contigo ainda está o amor de tua vida,
    que o preservas como um acto de posse
    e que, ainda te preenche as noites 
    e te as torna sempre doces, 
    nem que seja só
  • p´ra te aconchegares a seu peito 
  • e sentires seu calor, e o seu respirar,
  • recordando que e só tu e ele
  • sabem dos tantos enlaços 
  • E, então, com um sorriso 
    lembras-te que na morna luz da tarde,
    com ele passeias todos os dias 
    p’lo parque verde do bairro, 
    onde tantas, e tantas vezes se amaram, 
    como um poema de Florbela Espanca
  •  
  • Maldito espelho sem dó, 
    pensas:
    Porque me envelheces?
    E outra lágrima cai 
    no teu colorido jardim 
    de lembranças

    De: fernando ramos
  •  

507 - A LUA E AS MADRUGADAS

Fernando Ramos, 26.12.21

  

507 (1).jpg

  • A LUA E AS MADRUGADAS
  •  
  • Vejo o raiar da lua
    Ao nascer da escuridão bela
    A noite é minha é tua
    E da lua, todos gostamos dela
  •  
  • É alegria das madrugadas
    Nelas definimos juras de amor
    A lua, e elas são felizardas
    Assistem ao nosso esplendor
  •  
  • Guardamos a lua no coração
    E as madrugadas no sentimento
    Quando a olhamos, sentimos emoção
  •  
  • Perpetuando o acontecimento
    A lua será o nosso aconchego 
    As madrugadas, o desassossego
  •  
  • De: fernando ramos
  •  

506 - EM NOME DA DEMOCRACIA DELES

Fernando Ramos, 25.12.21

 

506 (1).jpg

  • EM NOME DA DEMOCRACIA DELES
  •  
  • Vieram juizes, e homens ilustres
    Sábios de lacinho e cartola
    Conselheiros, e mais tretas embustes
    Maus políticos, e outros tristes de estola
  •  
  • E nas entrelinhas do terror
  • Todos vieram em nome
  • da democracia deles
  •  
  • Vieram os Algozes e seus cães de guarda
    Pulhas, corruptos, e mentirosos à carta
    Vieram os profetas da desgraça parda
    Trazendo o desemprego, a fome,
  • e a miséria farta
  •  
  • E entre rios fragmentados de tristeza
  • Foi tudo em nome da democracia deles
  •  
  • E levaram:
    Os católicos, Muçulmanos, Protestantes
    Hindus, Budistas e outros Santos
  •  
  • E mergulhados no meio da esperteza saloia
  • Fizeram tudo em nome da democracia deles
  •  
  • E levaram:
    Os Operários, Agricultores, Professores
    As artes, o Desporto, e os Sonhadores
  •  
  • E levaram:
    Comunistas, Democratas, Socialistas 
    Gente de bem e até os Campistas
  •  
  • E levaram:
    Os pobres, Velhos, Crianças,
    Funcionários Públicos, Pastores,
    A mim, e todos os outros sem aliança
  •  
  • E tudo, mas tudo
  • Em nome da democracia deles
  •  
  • Agora já pouco resta

    Pobre Democracia que
    em teu nome, tudo fazem,
    tudo permitem
    e se preparam para nos
    dar o inferno
  • Mas o povo, o povo 
    na sua velha sabedoria
    Simplesmente diz:

    NÃO, NÃO, E NÃO !!!
  •  
  • de: fernando ramos
  •  

505 - EUROMILHÕES DA FELICIDADE

Fernando Ramos, 24.12.21

  

505 (1).jpg

 

  • EUROMILHÕES DA FELICIDADE
  •  
  • A sorte é para que é,
    diz o povo na sua razão
    Alguns prometem Fátima a pé
    se ganharem muito tostão
    Então, jogam no Euromilhões
    os apostadores matreiros
    À espera de uns milhões,
    para serem ricos de dinheiros
  • A sorte não se tem,
    a sorte tem de se procurar
    É que, com pouco vintém
    muito se pode ganhar
    Na certa, até a vais encontrar
    no mais simples pormenor
    Num sorriso, ou num olhar
    em alguém que te dá o melhor
  •  
  • E nessa amizade podes apostar,
    porque ai, a riqueza é experta
    Tudo que tens podes jogar
    e arrecadas muito pela certa 
    Joga forte e com amor,
    e ganhas o teu passaporte 
    Viajarás na felicidade sem dor,
    e eu, te desejo boa sorte

    De: fernando ramos
  •  

504 - CONTESTATÁRIO

Fernando Ramos, 23.12.21

   

504 fr.jpg

  • CONTESTATÁRIO
  •  
  • Contestatário, eu sei que sou
    mas que posso fazer,
    se grande parte de minha vida 
    andei no leme à bolina,
    procurando um farol que
    me indicasse um porto 
    p´ra mergulhar minha âncora
  •  
  • Minha vida foi como trepar 
    Por uma calçada acima,
    hora a hora, dia a dia
    num grande sofrimento de ciclista
    que procura a sua meta,
  • onde a vitória por vezes não sorri,
    mas nem é tão vital pró destino
  •  
  • Nasci no após guerra,
    e agradeço a Deus por me salvar
    dos seus malefícios
    Mas encontrei outra guerra,
    não tão mortífera claro,
    mas a guerra da sobrevivência
    Tudo tem o seu começo,
    o meu foi na infância,
    e só Deus e eu, é que sabemos 
    como foi subir a tal colina da vida
  • onde fui apanhando daqui, e dali,
    parecendo mais um boneco,
    mas sempre em pé
    Construindo meu futuro
    como se constrói melodias,
    não as de Chopin,
    ou uma opera de Verdi,
    ou até as loucuras de Mozartt,
    mas aquele futuro, em que a música 
    por vezes é bem desafinada
  •  
  • Noutras alturas, minha sobrevivência
    era mais uma autêntica poesia 
    de expor a alma
    Com sonetos de tristeza, 
    sofrimento, e até por vezes
    alguma felicidade,
    que hoje p´ra mim, toda 
    esta arte poderá ser o meu ego,
    ou um lindo poema de vida
  •  
  • de: fernando ramos
  •  

503 TEU SORRISO, O MEU FAROL

Fernando Ramos, 22.12.21

  

503 (1).jpg

  • TEU SORRISO, O MEU FAROL
  •  
  • Longas são as horas,
    os dias, e até os anos
    Mas neste percurso de tempo,
    teu sorriso enche minha alma 
    Ele, é envolvido numa auréola,
    que sem esforço e dedicação
    me embebeda de prazer
    Sinto um mundo brilhante
    em teu sorriso,
    e só de o olhar
    construo meu caminho
    num mimo perfeito e sem dor
  •  
  • Nele, apenas procuro o fácil 
    e o rápido de alcançar
    o sabor da vida 
    Aquele sabor que nos deixa feliz 
    por ter esse sorriso livre de más 
    vontades e de rancor
    Pobres aqueles, que não sonham 
    sequer com um sorriso desses
    que é para sempre meu, 
    o meu farol
  • Ele me indica o caminho certo 
    do teu bom porto, 
    onde irei ancorar
    E me fará sempre ir mais além,
    em busca da felicidade a teu lado,
    que se vai cimentando no teu
    exuberante sorriso
  •  
  • de: fernando ramos

Pág. 1/4