Minha Poesia

30
Jun 21

 

 

 

ANA ROSA

 

Nos meus tempos de estudante
p´lo Bairro Alto eu andava
E à porta de uma taverna
conheci Ana Rosa
Era uma mulher feita e fogosa

de corpo de alguma formosura

E num vão de escada

de um prédio velho,

ela tornava minha juventude

bem mais saborosa

 

Ana Rosa, e todas as Anas Rosas
que por aquelas ruas vagueavam

naquela época como falsas virgens

mais não faziam que vender

o corpo meio descoberto,

exibindo a miséria sem piedade

cuja pouca fazenda cobria suas

vergonhas que ofereciam

por algum dinheiro, aos homens
ou rapazolas que como eu

por ali passavam

 

O pouco dinheiro que eu tinha
dado por meus pais,

eu o guardava, e esse dinheiro

com mais alguns trocos
que docemente surripiava

à pobre da minha avó
me levavam àquelas ruas,

pelo menos uma vez por mês,

e a Ana Rosa eu queria,

vestida de tudo, e despida de nada
pois era a mulher de meus sonhos

eróticos e sensuais,

e também o meu conforto

 

Ela, só não sabia ensinar-me amar
como era boa ouvinte
e, na minha inocência de vida
lhe contava minhas tontarias
de rapaz ansioso e atrevido,

e o meu amor por ela

crescia admiravelmente como versos
E Rosa ria, ria...

Como ela ria, meu Deus,
seu sorriso era tão bonito
como seu corpo de onduladas curvas

 

Bem depressa,

deixei de ir àquelas ruas escuras,

tristes e de má fama por causa
dos pecados da vida
Mas tivesse eu dinheiro,

a ela eu iria todos os dias
Que saudades eu tenho

da minha vida de rapaz doidão,
como dizia Ana Rosa,

e baixinho me sussurrava
ao ouvido, dizendo

como gostava ser dona

da rua do pecado,

só para estar comigo

 

Hoje passo pelo Bairro Alto,
e claro, já lá não está a Ana Rosa
mas eu a recordo com amizade,

e se calhar com algum amor

que fiquei por essa mulher
que sempre achei gostosa
Ah, tivesse eu dinheiro nessa época
de quando era jovem,

aquela rua de pecado,

eu oferecia à Ana Rosa

 

de: fernando ramos

publicado por Fernando Ramos às 19:55

29
Jun 21

 

 

AMAR NAS DUNAS

Há noite, levo o meu amor ao monte
que fica bem próximo do mar
Já de lá, olhamos o horizonte,
p´ra sabermos onde podemos amar


Decidimos ir para a beira do mar
e na arei nos aconchegámos
Ali, nos beijamos devagar
e dos nossos sonhos falámos


Entretanto uma onda atrevida chegou
molhando nossos corpos bem quentes
Era uma, que nunca banhou
paixões assim tão ardentes


De lái, então nós saímos
e fomos para as dunas do lado poente
Ao chegarmos, p´ra elas sorrimos 
ali
nos amaríamos perdidamente


E foi assim que tudo aconteceu
com bons momentos de grande esplendor
Até, que depressa amanheceu
a às dunas devemos um ondulado amor


Para o mar nós olhámos
agradecendo à onda que nos banhou
Porque nas dunas docemente amámos
naquela noite que depressa passou

 

 

de: Fernando Ramos

publicado por Fernando Ramos às 17:25

28
Jun 21

 

 

FILHOS DA RUA

 

São filhos da rua

Mas chamam lhes, "Os sem abrigo"

Tem esta má sorte, que podia ser tua
Por andar nesta vida de algum perigo

 

Vivem junto da natureza
E alguns, sem eira nem beira
Sabemos nós com alguma certeza 
Dos poucos, que esta vida queira

 

Todos eles tem muitas histórias
E algumas bem bonitas, talvez
Mas agora as suas vitórias
É viver um dia de cada vez

 

Eles não são desgraçados
Nem uns pobres coitadinhos
Alguns vivem esperançados
Que a vida mude aos bocadinhos

 

Para eles, a esperança é uma cedência
Que pediram em tempos à felicidade
Querem, e procuram paciência
P´ra ultrapassar sua infelicidade

 

Ser sem Abrigo, nem bem soa
E alguns precisam de oportunidades
Só que, a moral já não é boa
P´ra quem vive assim nas cidades

 

de: Fernando ramos

publicado por Fernando Ramos às 10:22

27
Jun 21

O TERREMOTO DE 1755

 

Fez duzentos e cinquenta anos
que este pequeno País foi arrasado
Foi quase todo pelos canos
e um povo ficou infernizado

 

Escreveram que tremeu, a bom tremer
ficando completamente destruído
Aumentou a miséria e a falta de comer
e muito teve de ser reconstruído

 

O fogo queimou casas, e quase tudo
e o mar, à cidade muito longe chegou 
Nove minutos levaram o país ao fundo
num tremor de terra, que tudo devastou 


Grande desgraça teve Portugal
que foi engolido p´las altas ondas do mar
Foi um desastre de causa natural
que um povo teve de suportar

 

Foi a um de Novembro que aconteceu
Portugal inteiro ficar muito sofrido 
O povo, esse nunca esmoreceu
e fez um País bem reconstruído

 

Somos gente forte e valente
quando a desgraça nos bate à porta
Depois somos muito displicente
ao pensarmos que ela está morta

 

E um novo país foi construído
com o Marquês de Pombal à frente
Foi tudo muito bem sucedido,
E hoje ainda há uma construção decente

 

O povo ergueu uma obra bela e boa
fazendo uma maravilhosa cidade
Todos têm orgulho da sua Lisboa
linda terra p´ra posteridade

 

Somos um país com uma linda história
E devíamos de ser, mais amigos de nós
Levamos esta terra à nossa vitória
em nome dos nossos queridos avós


Não deixemos morrer Portugal,
que tantos construíram com muita dor 
É o nosso país, e não há outro igual
vamos todos dar merecido valor

  

de: fernando ramos

publicado por Fernando Ramos às 21:32

26
Jun 21

 

MULHER DE PERDIÇÃO

 

Ando muito pouco vestida
Por ruas e becos mal iluminados
Procurando o pecado da vida
Em destinos desencaminhados

 

Aos homens me ofereço
Para alimentar meu vicio
Não julguem que sou, o que pareço
Estou nesta vida em sacrifício

 

A maldita droga me apanhou
Numa infância mal sucedida
Ela, meu destino traçou
Fazendo de mim mulher perdida

 

Agora, nos Becos, eu ando
numa triste vida e infeliz
Quero sair dela e não sei quando
Mas penso que Deus, um dia me diz

 

Nesta minha fortuna desgraçada
Ando nela, porque a vida lá me levou
Desejava tanto ser mulher amada
E afinal, sou aquilo que sou

 

Não há mal, que eu não cure
Mas este, só quando a morte me levar
Tenho tristeza, que muito dure
Em meu corpo de mal amar

 

Não passo de mulher de perdição
Que veio ao mundo sem sorte
Trago remorsos no coração
Que passarão só na minha morte

 

de: fernando ramos

publicado por Fernando Ramos às 15:12

25
Jun 21

 

 

MINHA ORAÇÃO

 

Rezo a Deus pelos pecadores

Que vivem em perdição
De Deus não são pescadores
Almas cheias de escuridão

 

Meu pai, perdoai-nos a todos
Pela nossa falta de fé
Nascemos e vivemos num toldo
Cobrindo a miséria,vivendo na ralé

 

Pela árvore conheces o bom fruto
Que vive dentro do pecado
Separa-o, e torna-o astuto
P´ra sair do mau destino traçado

 

Ó Deus, dá luz aos homens maus,
P´ra que se dêem com o irmão
São eles que criam o caos
A todos que vivem na razão 

Na tua infinita bondade
Traz a paz a todos nós
Dá-nos amor e liberdade,
Para que não fiquemos sós

 

Não deixes beber a dor do teu cálice
A teus filhos de pecado
Perdoa-nos, porque alguém disse
Que és bom, e nos dás a verdade

 

Rezo a ti, meu bom Deus
Pelo pecado imundo
Guarda os filhos teus,
Da desgraça deste mundo

 

de: fernando ramos

publicado por Fernando Ramos às 14:06

24
Jun 21

 

A VIDA NO SEU CARROSSEL

 

A vida é um carrossel, 
e dá muitas voltas sobre si mesma
Subindo e descendo num movimento 
ondulante, conforme as circunstancias 
Precisamente como os cavalos, 
carrinhos e outros bonecos em madeira
como há nos carroceis por esse mundo fora
Girando sempre no sentido do destino
como gira, gira a nossa vida 
num estontear,
de sobe e desce permanente
Seguindo sempre o rumo 
por Deus traçado, desde o inicio,
que só termina quando faz um click,
porque a respiração ali findou,
acabando a vida nesse preciso momento, 
como se o empregado do carrossel 
desliga-se a corrente eléctrica, 
chegando ali o seu final de viagem
A vida é um carrossel
que se irá perpetuar sempre, 
e sempre através dos tempos
Nós só temos de seguir o seu percurso

 

de: Fernando ramos

publicado por Fernando Ramos às 10:54

23
Jun 21

AÇORES - S.MIGUEL

 

S.Miguel, ilha de água e Fogo
a todos trazes felicidades
Tua beleza é como um jogo
na Caldeira das Sete Cidades

 

Ponta Delgada a Tua Cidade,
tem lagos de encantos sem fim
Despertam muita curiosidade
aos turistas, e a mim

 

És uma ilha que produzes chá
ananases, e até charutos
E nas Furnas bom cozido há
já não falando de teus frutos

 

Tens lagoas de enorme beleza
com vegetação tropical
E flores que não trazem tristeza
pró nosso querido Portugal

 

S.Miguel meu amor
apesar de não ser daí
Te visito, e trago teu sabor
e falo muito de ti, aqui

 

 

de: fernando ramos

publicado por Fernando Ramos às 20:53

22
Jun 21

 

 

GALINHA DOIDA

 

Sou uma galinha constipada
E dizem que tenho gripe
Já tenho minha vida estragada
Não tarda que alguém me frite

 

Que vai ser de mim meu Deus
Com o que nos estão a fazer
É que, já tenho amigos meus
Que nem servem p´ra comer

 

Sou uma galinha doida varrida
E a mim todos me perseguem
Tenho pouca esperança de vida
Porque agora todos me temem

 

Ó senhores sábios do mundo
Descubram lá a vossa vacina
Porque nós temos gosto profundo
de andar cá, cantando em surdina

 

 

de: fernando ramos

publicado por Fernando Ramos às 17:47

21
Jun 21

 

 

ESPERAR À CHUVA

 

Vou fugir das gotas de chuva
Caindo em meu corpo que espera
Aguardo um amor que não turva
Sua vida que me supera

 

E à chuva aguardo por meu amor
Da caravela que vai atracar
Vem de um mar de bela cor
P'ra de mim, ele se abeirar

 

A sua caravela ainda não chega
E esta chuva não vai parar
Mas, meu amor dela me aconchega
Neste inverno que está a entrar

 

E a caravela ao cais atracou
Depressinha nos fomos encontrar
Meu amor à chuva me falou
Das saudades de me querer amar

 

E lá fomos nós feitos loucos
Pró nosso leito de muito calor 
Amamo-nos bem e aos poucos
num vai vem de enorme esplendor

 

As gotas da chuva lá pararam
Quando o prazer à nossa cama chegou
Meus lábios a meu amor sussurraram
Que meu corpo, a ele sempre amou

 

 

de: fernando ramos

publicado por Fernando Ramos às 14:06

Junho 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO