Minha Poesia

30
Mar 18

823 (2).jpg

 

  • DOR DE CASTIGO
  • (soneto)
  •  
  • A dor vem no limbo do escuro
    Numa intensidade não liberta
    Traz tormento bem seguro
    Ao corpo que para ela desperta
  •  
  • É melancolia que não trás brisa
    É dor de tanto castigo
    Para uma vida, que bem ajuíza
    Seu passado de tanto perigo
  •  
  • À dor a claridade não chega
    Vai num mau fim que se avizinha
    E no escuro deixa a vida cega
  •  
  • Tendo a morte como final
    P’ra um céu, onde se caminha
    Livre de tanto sofrimento total
  •  

De: Fernando Ramos

publicado por Fernando Ramos às 22:11

Março 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9



31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO