Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

FERNANDO RAMOS

Minha Poesia

FERNANDO RAMOS

Minha Poesia

27
Dez17

740 - MINHA MÃE, MINHA TERRA

Fernando Ramos

740.jpg

 

 

  • MINHA MÃE, MINHA TERRA
  •  
  • Vou indo para a minha terra
    Por caminhos floridos de bom chão
    À sua beira vou colhendo à mão
    Lindas flores que perfumam a serra
  •  
  • Foi com amor que as plantei
    E que a natureza regou 
    P’ra minha mãe as levarei
    Preciosa oferta que Deus criou
  •  
  • São p’ra ela, que está gravida
    Dum irmãozinho que vai nascer
    E dum amor de tanto querer 
    Concedeu-lhe Deus bonita dávida
  •  
  • Quando chegar à minha aldeia
    Grande festa irei fazer
    Que se prolongará até à ceia
    Com minha mãe, a me enternecer
  •  
  • A ela sempre amarei
    Seu coração bem no fundo
    E, à minha terra, sempre voltarei
    Enquanto meu mundo, for mundo
  •  
  • De: Fernando Ramos
26
Dez17

739 - ESPERO O AMANHÃ

Fernando Ramos

 

739 fr.jpg

 

  • ESPERO O AMANHÃ
  •  
  • Já nada me sobra deste tempo
    Outra vida, melhor teria sido 
    Agora vou em meu passo lento
    Calcando o passado já vencido
  •  
  • Apenas restam lamentações
    Do meu mundo outrora sumido
    Foram imensas as tentações
    Aproveita-las, foi imerecido
  •  
  • Nova aurora p’ra mim aconteceu 
    Na adiantada idade que se some 
    Senti-la, meu corpo estremeceu
    Agarrado ao futuro que consome
  •  
  • No meu difuso quebranto
    A mente, ainda se encontra sã
    E num emaranhado espanto
    Serenamente espero, o amanhã

 

De: Fernando Ramos

25
Dez17

738 - BRANCAS MORTALHAS

Fernando Ramos

738.jpg 

 BRANCAS MORTALHAS

  •  
  • Surgem mortalhas p’ra corpos
    São de algodão, e grosso corte
    Vestem tantos sem sorte
    Que deambulavam no pecado forte 
    Terminando assim, inertes e mortos
  •  
  • Irão p’ro céu? Não se sabe!
    O inferno talvez seja o destino
    Eram pecadores de pouco tino
    Num lugar triste e pouco fino
    Onde, o bom futuro lá não cabe
  •  
  • Agora, são almas sem regresso
    Cobertas de mortalhas p’ra conforto
    Cobrindo o corpo frio e morto
    A caminho dum além, nascido torto
    Que em vida não mereceram sucesso
  •  
  • Mas afinal, esperam-lhes o céu!
    Num paraíso de paz celestial
    São almas felizes, e é consensual
    Que ir pró inferno, era irreal
    Subiram ás nuvens, vestidos de véu
  •  
  • E as mortalhas foram-lhes retiradas
    Daqueles corpos mal enfeitados
    Deus perdoou tédios pecados
    Abrindo sua porta, aos pobres coitados
    Enlaçando-lhes felicidades desejadas
  •  
  • P’ra traz, ficaram tristes destinos
    Foram embora as brancas mortalhas
    Chegou paz, a espíritos sem malhas
    Vividos em profundos meios de palhas
    Que ansiavam por Anjos bem vindos
  •  
  • De: Fernando Ramos
24
Dez17

737 - ESCREVO

Fernando Ramos

 

 

737.jpg

 

  • ESCREVO
     
  • P’ra ti, escrevo de mil cuidados
    Poemas de minha alvura
    São pedaços de vida inspirados
    Em palavras de breve cultura
  •  
  • Pensamentos deitados num livro
    Que só p’ra ti, apenas para ti, editarei
    Em palavras endoidecidas sem castigo
    Que no meu coração são lei
  •  
  • Escrevo, e para ti rescrevo sem fim
    Poesia de amor e emoção
    São breves, e vão voando por aí
  •  
  • Buscando no vento, seu poiso manso
    Que, se não encontrar cairão no chão
    Mas escreverei na mesma, e não canso
  •  
  • De: Fernando Ramos
24
Dez17

736 - VALE COLORIDO

Fernando Ramos

 

 

736.jpg

 

  • VALE COLORIDO
  •  
  • No vale colorido, vejo a montanha ao longe
    Sinto o cheiro das flores, e o voo das aves
    Ouço o rio bem perto, correndo p’ra foz
    O ar é doce, e desliza vagarosamente 
    Enchendo-me de caricias perfumadas
    Olho o céu, e vejo vagas 
    De nuvens que correm
    P’ra noite que se aproxima no entardecer
    E naquele vale de mil prazeres
    Penso nos outros
    Que estão mais sós do que eu
    No seu desencontro com a vida 
    Vivendo num enorme tédio fatal
  •  
  • E eu, aqui tão bem acompanhado 
    P’la natureza, aguardando apenas 
    A passagem deste meu tempo
    E a porta de meu coração se escâncara 
    Para receber o sublime prazer 
    De tudo que me rodeia
    Parece um conto de fadas 
    Este meu presente, mas...
  •  
  • Apenas não passa de um sonho! 
    Um sonho que terminou
    No preciso momento
    Que a realidade presente me alerta
    Para o mundo em que se vive
    Que me retira esta guloseima de bom viver
    Pobre mundo...
    Que estúpida é a tua incerteza!
    O desespero bate forte em muitas vidas
    Que não conhecem este meu sonho 
    do vale colorido,
    Nem verseja as floridas minhas imagens 

    De: Fernando Ramos
23
Dez17

735 - ROSTO BRANCO COMO NEVE

Fernando Ramos

 

735.jpg

 

 

  • ROSTO BRANCO COMO NEVE
  •  
  • Aprecio teu rosto num pergaminho
    E como bonito fica o desenhar
    Ao olha-lo, vou por um caminho
    Que um dia nos levará ao altar
  •  
  • Esse rosto, é fino como as açucenas
    Que na primavera vão desabrochar 
    E tão leve como as penas
    Dum colibri a despontar
  •  
  • Teu rosto branco como neve
    De tanta singeleza sem igual
    Em meu coração ele escreve 
    A sua beleza pura e natural
  •  
  • Ao querer beijá-lo ouço violinos
    Numa orquestra bem afinada
    Em acordes místicos e divinos
    Gravando-os na alma enamorada
  •  
  • Sua enorme beleza celeste
    Que acalenta o meu amar
    Traz boa auréola, que veste
    O dia, que iremos casar
  •  
  • Faz-me seu fiel escravo
    E meus lábios nele pensam
    No seu sabor de bom travo
    Que p’ra mim é uma benção
  •  
  • Der: Fernando Ramos
21
Dez17

734 - VENTOS DA PRAIA

Fernando Ramos

734.jpg

 

  • VENTOS DA PRAIA
  •  
  • Quero fugir da solidão
    Aproveitando os ventos da praia
    Eles beijam o mar chão
    Na crista da onda catraia
  •  
  • Os ventos são boa companhia
    Nas vagas do mar salgado
    Seu sopro não dá nostalgia
    E p’la água, sei que é escutado
  •  
  • Deliciam a onda boa
    Na esperança que se enamora
    No oceano não sopram à toa
    Em velas que aguardam a hora
  •  
  • A praia espera por mim
    E só o vento me vai lá levar
    Chegarei vestido de cetim
    Pelas brandas marés, ao raiar
  •  
  • De: Fernando Ramos
20
Dez17

733 - TRISTEZA QUE PERSEGUE

Fernando Ramos

733.jpg

 

 

  • TRISTEZA QUE PERSEGUE
  •  
  • É infinita a tristeza
    Que amarra tanto tormento
    Não vai embora sua firmeza
    Só a solidão, é seu sustento
  •  
  • Ela faz muito padecer
    Na dor que não termina
    É companheira de mau viver
    Em destinos que desencaminha
  •  
  • Sua voz intima de dor
    Deixa a alma em pedaços
    Tem a morte como horror
    E infernos consumados
  •  
  • Vale a coragem do ser humano
    Para voltear tal sofrimento
    Vivem, com ela no desengano
    Que já não gemem seu lamento
  •  
  • Tristeza, porque persegues
    Vais num caminho sem volta
    Não vês que só tu consegues
    Levares corações à revolta
  •  
  • Um dia chegará teu final
    Aí, findará o desassossego
    Será um paraíso sem igual
    Ninguém sentirá mais medo

 

De: Fernando Ramos

19
Dez17

732 - O SOPRO DO VENTO

Fernando Ramos

732 FR.jpg

 

 

 

 

  • O SOPRO DO VENTO
  •  
  • Vão embalados no sopro do vento
    Buscando um amanhã glorioso
    De noite, olham as estrelas ao relento
    No seu brilho rebelde e preguiçoso
  •  
  • Os homens, aguardam delas bom sinal
    Que a seu olhar leva tempo a chegar
    Cintilando as estrelas, cores sem igual 
    Enfeitando-se ao vento para encantar
  •  
  • E nesse precioso deslumbrar
    Os homens lá vêem o futuro almejado
    Como poemas de tanto sonhar
    Que aguardam das estrelas terno brilhar
  •  
  • E lindas mulheres de deslumbrar
    Se escondem através duma vidraça
    Aguardando com eles, um dia casar
    Mesmo que o vento, se desfaça
  •  
  • E, a cor das estrelas passa a ouro
    Por tão feliz, e oportuna alegria
    Guardando elas, nos corações este tesouro
    Que lhes ofertará, longa vida em magia
  •  
  • De: Fernando Ramos
18
Dez17

731 - BEIJOS GUARDADOS NO BAÚ

Fernando Ramos

731.jpg

 

 

  • BEIJOS GUARDADOS NO BAÚ
  • Guardo teus beijos num baú
  • Eles são minha razão de existir
    Por vezes vou lá buscar um
    Por me ser difícil resistir
  •  
  • São o bem mais precioso
    Que me acalenta o coração
    Esses beijos de amor gostoso
    Que saboreio com emoção
  •  
  • O baú, deles está repleto
    E quando lá vou, vou feliz
    Roubar um beijo indiscreto
  •  
  • P’ra meu amor calar o desejo
    Senão, ficará infeliz
    Por teus lábios, que tanto almejo
  •  
  • De: Fernando Ramos

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D