Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





716 - BUSCANDO O IMPOSSIVEL

por Fernando Ramos, em 30.11.17

716 fr.jpg

 

 

  • BUSCANDO O IMPOSSIVEL
  •  
  • No ambiente que hoje vivemos
    Algumas verdades 
    Se dizem e comentam
    Como se fossem o símbolo 
    Da certeza e da razão
    Mesmo que não seja a verdade crua
  • Prometem-se perfeitos caminhos 
    Muito bem asfaltados e rodeados
    De beleza que dá prazer aos olhos
    Mesmo que um, apenas um
    De terra batida e de beira agreste 
    Nos leve ao paraíso do Divino
  •  
  • Busca-se a beleza eterna,
    Gastando-se enormes quantias 
    Mas essa beleza,
  • É apenas breve e rápida 
    Tão rápida que nem se dá p’lo tempo
  •  
  • Corre-se atrás do sucesso
    A qualquer preço, 
    Nem que seja aparente
    Ou que se consiga à custa de outros 
    Pisando seus semelhantes 
    Sem qualquer despudor e respeito
  • Procura-se ambientes felizes,
    Onde se prometem a paz, 
    Descanso total, 
    E bem estar p'ra sempre
    Em países maravilhosos
    Mas no fim alguns
  • São pobres de cultura, 
    Pão, e justiça
  •  
  • Querem-se amigos, a qualquer custo
    Alguns por interesses muito duvidosos, 
    Mas esses só aparecem 
    Em locais de glamour
    Os verdadeiros amigos, são muito poucos
    Contam-se p’los dedos
    E um dia, esses
  • Lá estarão na nossa partida
  •  
  • Anseia-se por bons empregos, 
    Carros, mulheres lindas 
    Ou homens charmosos,
    Objectos valiosos 
    Mas coitados...
    Pobres de valor humano
  • Procura-se sempre o máximo,
    O melhor, o paraíso na terra
    Esquecendo-se todos nós
    Que o que se busca 
    Na corrida louca diária
    E com tanta ansiedade,
    Raramente se consegue,
    Ou mesmo nunca se alcança
  • Enfim... somos uns tolos
  •  
  • de: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:53


715 - MINHA MÃE MARIA

por Fernando Ramos, em 29.11.17
  • 715.jpg

     

  • MINHA MÃE MARIA
  •  
  • Minha mãe Maria
    Que meu sangue de amor laças
    Estás gravada em meu rosto
    Bendita foste a mulher
    Que este filho deste à luz
    És a mãe abençoada por Deus
    E dos meus desejos sonhadores
    Agora e sempre, até morrer
  •  
  • De: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:27


714 - LÁBIOS DO MEU AMOR

por Fernando Ramos, em 28.11.17

 

714 fr.jpg

 

  • LÁBIOS DO MEU AMOR

    Estou entregue à saudade
    Dos lábios de meu amor
    Beijavam-me com voluptuosidade
    Enlouquecendo os meus, de furor
  •  
  • Partiram, e fiquei só
    Perdi seu doce sabor
    De mim não tenham dó
    Sou culpado, recebo a dor
  •  
  • Eles são tão sensuais
    Agora já não são meus
    Perdi valiosos cristais
  •  
  • Apenas resta-me a lembrança
    E ensaio um final adeus 
    Dos lábios da minha insegurança
  •  
  • De: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:56


713 - ANOS DE MIL E QUINHENTOS

por Fernando Ramos, em 27.11.17

713 fr.jpg

 

  • ANOS DE MIL E QUINHENTOS

  • Em ondas caprichosas navegavam
  • Homens de enorme valentia 
    Num mar salgado se entregavam
    Ao vento forte, e ao de calmaria
  •  
  • E nesse vai-vem ondular
    Musas encontravam de passagem
    Um poeta lhes dizia, ir capitanear
    A Nau que levava gente de coragem
  •  
  • Iam p’ra terras longínquas
    Buscar ouro e organdins
    Já de descobertas sabidas
  •  
  • Dum país pequeno, e de crentes
    Donos das terras lá dos confins 
    Em anos de mil e quinhentos
  •  
  • de: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:26


712 - LIRIOS CHARMOSOS

por Fernando Ramos, em 26.11.17

 

 

712 fr.jpg

 

  • LIRIOS CHARMOSOS
  •  
  • Percorro a estrada, em fadiga
    Olhando os lírios amarelos na sua beira
    São de beleza tão apetecida
    Buscando a esperança, que se esgueira
  •  
  • E neste pensamento estonteante
    Surge a lágrima em meu rosto
    Caindo-me a tristeza alucinante
    P’ra meu total desgosto
  •  
  • Os lírios são minha adoração
    Trazem colorida redenção
    Vê-los, alegram-me o coração
    Já cansado, velho, e sem ilusão
  •  
  • E no final, da vida vencida
    Sorriu aos lírios charmosos
    Que presentearam alegria sentida
    Aos meus caminhos espinhosos
  •  

De: Fernando Ramos
19.10.2006

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:47


711 - SEI DE ONDE VIM

por Fernando Ramos, em 25.11.17

711 fr.jpg

 

 

  • SEI DE ONDE VIM
  •  
  • Eu bem sei de onde vim
    Mas não saberei p’ra onde parto
    Vim dum lugar bonito, sim
    Será que irei p’ra um lugar farto?
  • Sei muito bem de onde vim
    Dum pais de grandes senhores
    Não julgue que foi por aí
    É dum lugar de bons valores
  •  
  • Sou daqui e do mundo
    E não do diabo a quatro
    Esse, é de desgosto profundo
    Onde a vida é um teatro
  • Meu lugar, é de todo lado
    Do mundo, da arte, e da vida
    Está no destino escriturado 
    Até, meu dia da partida
  •  
  • Sabem afinal de onde vim?
    Sou filho do criador
    Minha pátria é esta aqui
    Onde nasci de muito amor
  •  
  • De: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:27


710 - A VOLTA DO MENDIGO

por Fernando Ramos, em 24.11.17

 

710.jpg

 

A VOLTA DO MENDIGO

 

Pela rua deserta
O mendigo vai perambulando 
Em busca de um refugio
Que o protegerá do frio
E que o confortará, 
No fim da sua volta de espinhos
Que o levou p’los 
Caminhos habituais

 

Sua mão leva a desgraça
Que num abrir e fechar
Deixa-lhe a vida vazia de nada
Ele é o alcoólico
Que a sociedade construiu
E com o passar dos anos
Sua alma se encarregou de destruir

 

Numa passada lenta
Vai resmungão
Com a garrafa vazia do néctar
De seu bem estar
Que bem dele precisava 
P’rá noite triste e gélida
Pensando, que só o Deus Baco 
O poderá ajudar
Daquela vida boémia e cruel

 

Ele já pouco se importa
As mágoas são banhadas 
No liquido da maldita garrafa 
Agora tristemente vazia
Ó pobre destino
Porque és tão severo
Pró triste mendigo
Que na sua vida, 
Apenas tem sido

Teu simples servo

 

de: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:03


709 - TUA AUSÊNCIA

por Fernando Ramos, em 23.11.17

709 fr.jpg

 

  • TUA AUSÊNCIA
  •  
  • Vou observando teus silêncios
    E neles vou encontrando 
    o que procuro
    São desejos dos teus perfumes,
    Do teu olhar, do teu sorriso, 
    E dos nossos fins de tarde

  • No jardim próximo de nossa casa 
    Quando olhávamos o escapar do sol 
    Envolvendo-se no horizonte
  • Observava teus silêncios
    Neles vejo minha alma
    Que se vai lambuzando 
    Em recordações de teu amor
    Que me oferecias nessas tardes 
    De céu azul e quente, 
    Tão quente como meu coração
  • E de todas as verdades,
    As nossas verdades
  •  
  • Nesse teu silêncio, que seduz
    E me encanta
    Revejo a cumplicidade
    Num gozo, que era a nossa total paixão
    Como se fosse uma tontice adolescente
    Como tantas outras 
    Que por nossos puros momento passaram 
    Agora, apenas resta teus silêncios
    E tua ausência
    Que me cortam a saudade empregnada 
    Das tuas fragrâncias que agora vêem 
    Das estrelas que me observam,
    E eu aqui só 
    No jardim das nossas verdades
    E também da minha tristeza
  •  
  • de: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:02


708 - JARDIM DE CRAVOS

por Fernando Ramos, em 22.11.17

708 fr.jpg

 

 

  •  JARDIM DE CRAVOS
  • És o sol, e água da vida
  • Que todos os dias almejo
    Abasteces-me a alma sofrida
    Que de ti, sente tanto desejo
  •  
  • És um mundo que gira só p’ra mim
    E alegria do nosso jardim de cravos
    Meu coração, agora vagueia por aí
    Bebendo tua ausência aos tragos
  •  
  • És tudo p’ra mim, meu amor
    Solta de meu peito, a vil dor
    Tua saída na vida foi um acaso
  •  
  • Sei que desejas com furor
    Voltares ao jardim de esplendor
    Abraçando o amor no seu pedaço
  •  
  • De: Fernando Ramos
  •  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:39


707 - SEREI COMO UM CONDOR LIVRE

por Fernando Ramos, em 21.11.17

707 fr.jpg

 

 

  • SEREI COMO UM CONDOR LIVRE
  •  
  • Serei como um condor livre
    Voando de copa em copa
    Ouvindo o rugido do tigre
    Busca a presa, viva ou morta
  •  
  • E voarei p’los brilhantes céus
    Acenando à vida, e à natureza
    Avistarei mulheres de negros véus
    Das guerras que lhes trazem tristeza
  •  
  • E assim serei tão livre
    Mas da maldade terei de fugir
    Voarei nas nuvens que não obrigue
    Desta vida, ter de me despedir
  •  
  • Quero ser como o Condor
    Buscando minha liberdade
    Num mundo que não haja dor
    P’ra não sentir infelicidade
  •  
  • De: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:14


706 - SAUDADE DE TEUS LÁBIOS

por Fernando Ramos, em 20.11.17

706 fr.jpg

SAUDADE DE TEUS LÁBIOS

 

Vou de mãos dadas na saudade
Dos teus lindos e meigos lábios
É enorme minha ansiedade
Por seus beijos doces e sábios

 

Eles eram o meu grato prazer
Que me aqueciam de paixão
Sonho p’ra sempre os ter
Não, não é pura ilusão

 

Saudade, é a falta que dói
Dos teus lábios sonhadores
Ao meu coração, ela rói
Causando tantos clamores

 

São a cor, que só eu vejo
E o ardor de minha vida
Tanto esses lábios desejo
Na delirante esperança florida

De: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:13


705 - FELIZ AMANDO

por Fernando Ramos, em 19.11.17
  • 705 fr.jpg

     

FELIZ AMANDO

 

Vou Sendo feliz amando
A natureza, as crianças
Amando a família, os velhos
Os amigos, a pátria

Amando-te perdidamente
Até o raiar do dia
Acendendo a chama
Da felicidade que chega
Na alvorada em apoteose

 

Vou sendo feliz amando o mar 
Num profundo amar
E nele vou navegando ao vento 
Deslizando o meu amor
No sentido do mistério da Natureza

Na sua inteira razão

 

de: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:31


704 - SERÁ LEI

por Fernando Ramos, em 18.11.17
  • 704 fr.jpg

     

SERÁ LEI


Sei bem, que um dia será lei
passear no verde prado
Olhar os lírios na planície
Embelezando exuberantemente 
a mãe natureza

Será lei, no Outono pisar 
as folhas vadias 
nos jardins que calam 
minha alma

Será lei, na primavera
passear com meu amor,
e sentir a fragrância marota 
das flores silvestres 
nas frescas manhãs

Sei bem que tudo isto será lei!

De: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:39


703 MUSAS

por Fernando Ramos, em 17.11.17
  • 703 fr.jpg

     

MUSAS

 

Na crista da onda
Musas navegam à bolina
Que na força do vento
Querem chegar a um destino 
Já jurado, e traçado

 

Elas irão encontrar rochas
Gastas por pedaços de tempo
Vão no desígnio do divino
Procurando seu refugio merecido,
Chegando sabe-se lá quando!

 

Talvez ao anoitecer,
Num pleno inverno
Cujos pingos de chuva 
As receberão numa praia,
Onde o brando som das marés
Certamente as convidará a ficar

 

Elas, chegarão com Deus
Que lhes oferece gomes de luz
Alumiando-lhes a alma
Na força poética

Do momento de chegada

 

E as Musas viajantes
Sabem perfeitamente que as ondas 
Companheiras se despedirão 
Ali na beirinha daquela praia 
Entregando-as nos braços das rochas
Que as irão abraçar
E acolher na sua dureza

 

de: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:53


702 - MALES PERFEITOS

por Fernando Ramos, em 16.11.17

 

 

702 fr.jpg

 

 

MALES PERFEITOS

 

Arvores se curvam na idade
Rochas se desgastam p´las ondas
Florestas ardem com o fogo
Nós capitulamos no tempo

Assim é o ciclo da vida 

Das coisas, da natureza
Até o ar que se respira tem um fim

Se o homem, continuar
Na insensatez, 
E na sua falta de vergonha 
De não conservar, conservar
Sempre conservar
Terá seu fim rápido

Mas que importa...
Seu egoísmo é mais forte
Então, caminha na penumbra 
P’ro túmulo dos chacais
E dos males perfeitos

 

De: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:23


701 - A OPERA DA LIBERDADE

por Fernando Ramos, em 15.11.17

 

 

701.jpg

 

A OPERA DA LIBERDADE

 

Hoje foi a opera de Mozartt
Amanhã o que será?
Vai-se esfumando a minha liberdade, 
A tua liberdade!
Querem-nos castrar p’lo terror
Querem-nos emaranhar na teia
Que vai tecendo
O que está acontecer mundo?
Só porque uso a liberdade
De amar nos jardins,
Só porque digo não,
Ao oportunismo, ao sadismo
Ao fascismo, a todos os “ismos”.
À anti cultura
Querem-me controlar?
E a minha liberdade? 
A minha religião
O meu amor pela arte,
A independência, e as conquistas 
Dos nossos antepassados, 
Onde param?
Que se passa mundo!
Só porque somos diferentes, 
Temos de ter medo?
Não podemos ceder à chantagem!
Quero a minha opera de Liberdade, já!!!

 

De: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:08


700 - INVERNO DE MIL ÁGUAS

por Fernando Ramos, em 14.11.17

700 fr.jpg

   

INVERNO DE MIL ÁGUAS

 

Porque será que a folha cai
quando o Outono chega?
E ao cair da folha,
A nostalgia nos invade
Parece que o tempo

Vagarosamente passa 
A tristeza fica nossa companheira
E a angustia toma conta de nós
Tornando a vida numa cor bizarra
A solidão torna-se delorosa 
Nada há a fazer...

Esperamos que o Inverno 
Nos entre p’la porta, 
E que o crepitar da lenha

Ardendo na lareira 
Siga seu rumo, entre labaredas 
Aquecendo-nos dos dias frios 
Não há mesmo nada a fazer
Senão esperar p’la chegada 
Do senhor Inverno de mil águas 
E aconchegar-nos 
Junto da brasa acesa

 

Sentindo a branda quentura da lenha
E lendo aquele livro há muito guardado
Ou até folhearmos a nossa memória 
De outros Invernos tão agrestes 
Passados à beira da mesma lareira
Que é o tesouro do nosso quintal
Onde cochichamos segredinhos
Nas noites que fazem do sono rei 
E das madrugadas a rainha

 

 

de: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:35


705 - FELIZ AMANDO

por Fernando Ramos, em 13.11.17
  • 705 fr.jpg

     

FELIZ AMANDO

 

Vou Sendo feliz amando
A natureza, as crianças
Amando a família, os velhos
Os amigos, a pátria

Amando-te perdidamente
Até o raiar do dia
Acendendo a chama
Da felicidade que chega
Na alvorada em apoteose

 

Vou sendo feliz amando o mar 
Num profundo amar
E nele vou navegando ao vento 
Deslizando o meu amor
No sentido do mistério da Natureza

Na sua inteira razão

 

de: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:55


699 - AMOR E RAZÃO

por Fernando Ramos, em 13.11.17

699 fr.jpg

 

  • AMOR E RAZÃO
  •  
  • Alguém chora sua tristeza
    Na raiva que emaranha a dor
    É um momento de pura fraqueza
    Sente-se enganada no seu amor
    Jamais conseguirá perdoar
    Uma traição tristemente cometida
    Por quem ela julgava que a ia amar   
    E à sua paixão, fez-lhe uma partida
  •  
  • E num fado de amor e razão
    Sua dor é muito lembrada
    Gemendo guitarras, esta desilusão
    P’la perda da pessoa amada
    Hoje, ao divino suplica paixão
    Que não há meio de voltar a ter
    Seu coração diz sempre que não
    E de outra desilusão não quer padecer
  •  
  • Vive só, em sofrimento
    Num turbilhão de queixumes
    Perdoar, é cair no esquecimento
    E surgirá dor de dois gumes
    Quem traiu não volta mais
    Pensa assim seu sentimento
    Não voltará a suspirar mais ais
    Por quem lhe trouxe tal tormento
  •  
  • de: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:53


698 - NOITES

por Fernando Ramos, em 12.11.17

698 fr.jpg

 

 

  • NOITES
  •  
  • Minhas noites,
    Tem o peso da música,
    Que entontece a alma
    Ao som de um bolero,
    Ou de uma cantata de Bach
  •  
  • Minhas noites,
    Tem o caminho das recordações 
    Que surgem com a lágrima marota 
    Que teimosamente não cai 
    Na imensidão da dor
  •  
  • Minhas noites,
    Tem o sentido das palavras 
    Que escuto
    Trazendo-me o conhecimento
    Ou até daquelas palavras 
    Nunca ditas,
    Mas perfeitamente 
    Compreendidas num 
    Olhar cúmplice
  •  
  • Minhas noites,
    Tem a tristeza da solidão 
    Que insiste não ter fim,
    E que me persegue
    Até as noites terminarem
  •  
  • de: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:58


697 - VAMOS NAS TUAS ASAS

por Fernando Ramos, em 11.11.17

 

 

697 fr.png

 

  • VAMOS NAS TUAS ASAS
  •  
  • Vai nas tuas asas filha amada
    Nosso coração cansado e partido
    Uma brilhante luz de prata de fada      
    Trouxe-te o futuro esperado do cúpido
  •  
  • És a nossa graciosa avezinha    
    Bateste asas, saíste do nosso ninho
    Segues teus sonhos querida Joaninha   
    Herdamos a lágrima caída devagarinho
  •  
  • Teu suave perfume se exala p’lo ar
    Na triste saudade que não tem fim
    Nosso ouro encontrou o sonho de amar
    Guardamos tua ternura de cetim
  •  
  • Teu lugar será sempre no meio de nós
    Tua áurea nos acompanha até morrer
    Sem ti no lar, estamos tristes e sós
    Só o teu amor nos dá força p’ra viver
  •  
  • A saudade, bate forte nestes corações
    P’la nossa menina de saborosos miminhos
    Recordamos beijos fortes de emoções
    Em nossos rostos repletos de beijinhos
  •   
  • Amamos a luz que cintila em teu olhar
  • Escutamos o bater forte do teu coração
  • Sentimos emoção por ele nos confessar
  • Que nós somos a tua eterna paixão
  •  
  • Serás sempre nossa flor de formosura
  • E voaremos nas tuas asas, seguramente 
    Deus te proteja, com seu olhar de doçura 
    Querida filha, que te amamos loucamente
  •  
  • De: fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:23


696 - ROSA DE FORMUSURA

por Fernando Ramos, em 10.11.17

  

696 fr.jpg

 

 

  • ROSA DE FORMUSURA
  •  
  • Magra, de olhos verdes brilhantes
    Pele clara fina de muita lisura
    Homens sonham serem amantes
    De tão linda rosa de formosura
  •  
  • Não resistem a tal encanto
    Em noites incandescentes 
    Seu andar causa espanto
    Aos olhares felizes e ardentes
  •  
  • Ela sorri, e tanto provoca
    Ateando extraordinário fogo 
    É flor que nunca se troca
  •  
  • E Guarda-se como tesouro
    P’ra que não aconteça um roubo
    A quem tanto a quer como ouro
  •  
  • De; Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:34


695 - SONHO NA ESPERANÇA

por Fernando Ramos, em 09.11.17

695 fr.jpg

 

  • SONHO NA ESPERANÇA
  •  
  • Nenhum pensamento,
    Nenhuma dúvida me assalta
    Nenhuma réstia de esperança
    Me cerca no meu viver
  • Quando me sinto só e triste
    E tão próximo do descontentamento
    Não sorriu à natureza
    Na elevada noite de orvalhada
  • Nem nas noites de todas as eclipses
  • E num voo rasante e harmonioso
    O brando amanhã me trará
    Um novo e rico alento de esperança
    P´ra subtil vontade de meu viver
  • Que matará a sede das flores
    À beira de todos os riachos de esperança
    Que falta na floresta mais profunda
    Da minha eternidade humana
  • E em meu peito, já mais desesperará
    A dúvida antes assaltada
    Do sonho que chega na esperança
    Em glória, e não no seu desespero 
  • Porque do futuro me interrogo
  • E no meu passado todos os sonhos
  • De esperança me fascinam
  • Adormecidos na cama dos meus olhos
  •   
  • De: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:05


694 - BEM DE MANSINHO

por Fernando Ramos, em 08.11.17

694.jpg

 

  • BEM DE MANSINHO
  • Caiu a noite, bem de mansinho
  • Toldando o céu de negrume
    Nela surge a lua, devagarinho
    Num adeus ao azul que se sume
  •  
  • O dia, depois irá retornar
    E os amantes à noite voltarão 
    Meticulosamente p’ra amar
    Pertinho das estrelas que brilharão
  •  
  • Será num jardim de belas flores,
    Flores que os ateiam de bons feitiços
    Esgueirando-se em perfeitos amores
  •  
  • Para as noites bem sorridentes
    Onde estrelas não lhes darão sumiços 
    Nas madrugadas das noites quentes
  •  
  • de: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:54


693 - DESAMOR DO HOMEM NOVO

por Fernando Ramos, em 07.11.17

693.jpg

 

  • DESAMOR DO HOMEM NOVO
  •  
  • Minhas mágoas desapareceram 
    Quando p’ra mim o sol brilhou
    Ele me ensina como nasceram
    Hábitos que a natureza elevou 
  • Ela se sente envergonhada
    P’lo desamor do homem novo
    Vivendo na mentira ocultada
    Longe do mundo, do povo

    A natureza renova-se dia, a dia
    Com sabedoria e inovação
    Novas oportunidades cria
    Num esforço, que não é em vão

    O homem novo a deve respeitar
    P’ra herança de gerações futuras
    Pois a natureza, se tem de amar
    Melhorando hábitos e posturas
  • Ela é sol, e mar da vida
    Que Deus nos ofertou
    Traz felicidade acrescida
    Que um tempo bem semeou
  •  
  • De: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:49


692 - ESPERANÇA FUGIDA

por Fernando Ramos, em 06.11.17

692 fr.jpg

 

 

  • ESPERANÇA FUGIDA
  •  
  • Ó esperança não fujas
    Deste meu sentido vasto
    Que na bruma da noite
    Me incómoda no leito 
    Tu que és guarda da solidão
    Do meu inóspito peito
  • Nas madrugadas solitárias

  • Brandamente surges no sono
    Vindo de caminhos tumultuosos
    Trazendo o mensageiro incolor
    Que voa em perfumes preciosos
    Distribuíndo seu leve odor
  • E a doce esperança fugida
    Que vagueia no ar
    Recebida em meu coração
    Ofertando-me de ilusão
    Enchendo a alma 
    De odores de sua razão
  • Empregnados de fidelidade a Deus
    Meu rei, e senhor da esperança
    Que a todos guarda sem pudor
    Na sua boa cristandade
    No meio de servos escolhidos
    Que juram paz, e liberdade
  •  
  • De: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:32


691 - JARDIM

por Fernando Ramos, em 05.11.17

691.jpg

 

 

  • JARDIM
  •  
  • No jardim onde vou
    Brilha o sol p’ra mim
    Lá pergunta-se, quem sou
    Se sou, uma arvore dali?
  •  
  • No jardim de meu descanso
    Obeservo bem o seu verde
    Lá o Outono entra de manso
    E ás flores mata a sede
  •  
  • No jardim, onde brinquei
    Havia meninos, e meninas
    Hoje, onde estão, não sei
    E se são pobres ou finas
  •  
  • No jardim, do meu passeio
    Ouço o vento no seu choro
    Agitam-se flores lá no meio
    Sua frescura p’ra elas, é ouro
  •  
  • No jardim, onde amei
    Num amor longo e profundo
    Com essa linda mulher casei
    Agora p’ra mim, é um mundo
  •  
  • No jardim do verde trevo
    A paz ali muito me diz
    É um oásis onde escrevo 
    A Deus, um poema feliz
  •  
  • No jardim, das flores graciosas
    Tanta poesia eu lá escrevi 
    Agora beijo, as lindas rosas
    E já jamais sairei dali
  •  
  • De: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:18


690 - MAS... AMAR

por Fernando Ramos, em 04.11.17

 

 

690 fr.jpg

 

  • MAS... AMAR
  •  
  • Mas amar,
    Amar de verdade
    É sentir o arrepiar da pele
    Quando vem a saudade
    Dos murmúrios de amor
    Que é a razão de sonhar
    É estar empregnado no mel
    Da bonita lembrança dos 
    Nossos pequenos nadas
  •  
  • Mas amar,
    Amar de verdade
    É ser feliz,
    Muito feliz
    P’lo sorriso de paixão 
    Que beija o sol p’la manhã
    Quando não despertamos sós
  •  
  • Mas amar,
    Amar de verdade
    É aceitar os defeitos.
    Não ter preconceitos
    Agarrar a esperança vadia
    P’ra não se perder num tempo
  •  
  • Mas amar,
    Amar de verdade
    É respeitar os silêncios
    O voar das borboletas
    A felicidade da criança,
    Quando golfa os lindos seios nus
    De sua mãe
  •  
  • Mas amar,
    Amar, de verdade
    É amar perdidamente...
  •  
  • De: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:24


689 - NOSSO SEGREDO GUARDADO

por Fernando Ramos, em 03.11.17

689.jpg

 

  • NOSSO SEGREDO GUARDADO
  •  
  • Quem está comigo na vida
    Só eu sei, só eu sei
    Ele me encontrou bem sofrida
    E agora é meu bem
  •  
  • Em segredo guardamos
    Esta nossa boa relação
    Dela, a ninguém falamos
    P’ra não corar o coração
  •  
  • Ao meu amor, deito desejos
    Em nossa cama de sonhos
    Bem lhe entrego meus ensejos
    Qua não são nada tristonhos
  •  
  • Desta união fazemos segredo
    P’ra que ela nunca se perca
    Senão, criam-nos um enredo
    É nossa perdição, p’la certa
  •  
  • Só eu sei, só eu sei
    Como é bom com ele viver
    De seus filhos serei mãe
    É só ele, e Deus o querer
  •  
  • De: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:21


688 - MENINAS SABIDAS

por Fernando Ramos, em 02.11.17

688 fr.jpg

 

 

  • MENINAS SABIDAS
  •  
  • Há por aí umas meninas
    De esperteza e gosto caro
    Algumas, são bem jeitosinhas 
    Por isso, não lhes falta amparo
  •  
  • São esbeltas, e de frescura
    Da beleza se aproveitam
    Amam quem lhes dá ternura
    E no seu dinheiro se deitam
  •  
  • São espertas, e bem sabidas
    E a vida não lhes dá segredos
    Tiveram infâncias destruídas
    Nada lhes pode causar medos
  •  
  • Mas a frescura vai passando
    E algumas meninas tem juízo
    Com bons partidos vão casando
    P’ra seu futuro sem prejuízo
  •  
  • Mas outras... Rara esperteza tem
    O tempo p’ra elas vai voando
    Mais tarde falta-lhes o vintém
    E p’la miséria vão penando
  •  
  • De: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:01


687 - MEU CANSAÇO

por Fernando Ramos, em 01.11.17

687 fr.jpg

 

 

  • MEU CANSAÇO
  •  
  • Ficar só, é meu destino
    Que se perde no pensamento 
    Faz-me a vida num tormento
    Tirando o pouco alento
    Que me mata devagarinho
  • Nesta minha triste solidão

  • O dia pode ser mau pedaço
    P’la falta de um abraço
    Da relação que foi fracasso
    Dum amor louco de coração
  • Mas, procuro sempre a boa luz
    Pró meu parco viver
    Que na escuridão me fará ver
    Como poderei enlouquecer
    Por tão pesada cruz
  •  
  • Este momento que desfaço 
    P’ra mim terá de acabar 
    Outro amor irei encontrar 
    E meu coração voltará amar
    Que findara meu cansaço
  •  
  • De: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:20


Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D