Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

FERNANDO RAMOS

Minha Poesia

FERNANDO RAMOS

Minha Poesia

616 - O PREGADOR

19
Jul17

616.jpg

 

 

  • O PREGADOR
  •  
  • Sou um simples Pastor
    Vagueando por ruas escondidas
    Falo a corações com grande fervor
    De vidas sofridas e perdidas
  •  
  • Amo a grandiosa natureza, e a paz
    E as crianças que vivem na rua
    Ao pecador Prego tanto, e mais, se for capaz
    Até Deus o perdoar, numa paróquia sua
  •  
  • Sou apenas um simples Pregador
    Que todos os dias p’las nove horas em ponto
    Oro a Cristo, p’ra me conceder este esplendor
    De servir os outros, feliz e sempre pronto
  •  
  • Quero ser sempre assim, e assim viver
    Que o Divino me conceda tal graça
    P’ra que eu, todos os dias até morrer
    Pregar o bem, como o destino ele me traça
  •  
  • de: fernando Ramos

615 - PALAVRAS RETIDAS

18
Jul17

615.jpg

 

 

  • PALAVRAS RETIDAS
  •  
  • As palavras retidas em tua mente
    Guardeias numa tarde calma 
    São pensamentos belos que se sente
    Como prazeres gravados na alma
  •  
  • São palavras simples, e de rigor 
    Evitando momentos dissipados
    Estão construídas com tanto amor
    Embebedando meus olhos molhados
  •  
  • Que brilham tanto, quando te olham 
    P’la tardinha no nosso jardim
    Fazendo da minha paixão um festim
  •  
  • Em teus lábios, que os meus molham
    Por causa dessas palavras escritas
    Que por ti, um dia foram ditas
  •  
  • de: Fernando Ramos

614 - O AÇÚCAR DO MUNDO

17
Jul17

 

 

 

  • 614 fr.jpg

     

     

    O AÇÚCAR DO MUNDO

  •  
  • Grito por ti meu irmão,
    grito que vem bem de dentro
    das profundezas do desespero
    Grito que voa em direcção 
    dos senhores do mal,
    da guerra, do ódio, do dinheiro fácil
    Um grito em favor de quem 
    não tem mais lágrimas que foram
    saboreadas, mastigadas como pedaço
  • de pão.
  • Pão que falta no regaço do infeliz, 
    do pobre, que sofre, sofre
  • e tu sem compaixão
  • Ouve o desprezo, ouve o horror, 
  • ouve o povo fluindo de dor,
  • em milhões de lágrimas choradas
  • Tu nada mereces
    nem sequer o cantar da cotovia, 
    ou o manso prazer da sombra 
    do monumental e velho Sobreiro
    Não mereces a simples gota de chuva
    Não ouves o terror, 
  • o grito da criança, filha da desgraça,
    a gemer com sua mãe,
    como será possível?
  •  
  • Tu que te vais banqueteando 
    em manjares de rei,
    não vês a teu lado a fome que causas,
    não tens um pouco de preocupação
    Não tens o prazer da caridade, nada vales
    És apenas uma simples coisa, 
    para os justos, nada serves
  •  
  • Não sabes o que é o açúcar do mundo
    Vê como é bonito o sorriso da menina,
    o olhar da mãe, o dar a mão a um irmão
    Vê como é bonito ler Homero, Shakespeare,
    Camões, os Amores de Flor Bela Espanca,
    ouvir Mozartt, um concerto de Chopin, 
    ou sentir o arrepiar da pele 
    pela emoção de um fado de amor, e vida

  • Vê como é bonita a natureza,
    vê como é bonito a gloria de Deus 
    Tu não sabes o que isso é, 
    só sabes o menos importante, 
    olhar o monte vazio de amor,
    o tilintar das moedas,
    o rufar dos canhões que te trás poder
    Tu não prestas, és a tristeza da vida 
    Tu não tens futuro
  •  
  • De: Fernando Ramos

613 - A MULHER MAIS NOVA

16
Jul17

613.jpg

 

 

  • A MULHER MAIS NOVA
  •  
  • A mulher mais nova
    pisa as pedras da rua da vida
    Do bairro mais negro,
    mais negro que a noite
    Lá, é o seu local de ganha pão
    Ela, a prostituta mais gentil 
    e mais formosa daquela rua,
    todos os dias está por ali
  •  
  • Os homens, ela os cativa 
    com sua sensualidade,
    p’ra seu leito triste e melancólico,
    onde viola sentimentos
    sem remorsos descabidos, 
    no seu cruel e perfumado prazer, 
    impondo-lhes um destino
    solitário e perigoso
    e tão cruel como o dela
  •  
  • Naquela rua da vida,
    a prostituta pensa nos dias 
    da árdua luta de viver,
    que a fazem voltar sempre ali
    Saciando seu mórbido prazer 
    de pensamentos retalhados e atrozes, 
    consumidos p’la droga diária 
    que seu corpo permanentemente
    e pontualmente, anseia
  •  
  • A mulher mais nova,
    sofre estes dramas pungentes,
    de cruas verdades,
    que a fazem viver na rua,
    onde a encontrarão sempre,
    até que a morte se decida
  •  
  • De: Fernando Ramos

144 - À BELA VITÓRIA

16
Jul17

144.jpg

 

 

 

 

 

À BELA VITÓRIA

 

 

 

Pró ESTÁDIO vamos em boa companhia 

 

E lá... És a nossa LUZ

 

Seguimos-te fielmente de dia

 

E á noite teu jogar nos seduz

 

 

 

E bem dentro da nossa fantasia

 

Com amor o Adepto bebe teu sumo     

 

E seja de noite ou de dia

 

O Estádio da Luz é o seu rumo

 

 

 

E nesse enorme banquete

 

Que por talento serves a tanta gente

 

Lá, brindamos a esse presente

 

P´rá bela vitória, que tua gente... sente!

 

 

 

de: Fernando Ramos

 

 

 

 

 



612 - TUA VERDADE

10
Jul17

 

 

612 1.jpg

 

  • TUA VERDADE
  •  
  • A Aura rodeia a pomba da verdade
    Que no infinito é apreciada
    Traz a paz e Bondade
    A uma alma desesperada
  •  
  • Afasta, esse sofrimento aflito
    Na tua voz rouca e cansada
    Que canta por um amor bendito
    E não p’ra tua vida desencantada
  •  
  • Um dia ele aparece
    E darás graças ao Divino
    P´la vida um amor acontece
    Vai escrito no trilho do destino
  •  
  • Essa será a verdade
    E também tua fiel razão
    Olha o futuro sem vaidade
    Que não te dará ilusão
  •  
  • De: Fernando Ramos

611 - A BANDEIRA NO MUNDO

09
Jul17

 

 

611 fr 1.jpg

 

 

  • A BANDEIRA NO MUNDO

    No Verde - Está nossa Glória
  • No Amarelo – O brilho da Razão
  • No Vermelho - O Coração

  • No Verde, Amarelo, Vermelho - A PÁTRIA
  • Nas Janelas – A nossa Bandeira
  • Nas Ruas - O Espirito de Vitória
  • No Jogo - A total Emoção
  • No Relvado – Um povo, uma Nação

    Na plateia - PORTUGAL
  •  
  •  
  • De: Fernando Ramos

619 - ADORMEÇER NA NOITE

08
Jul17

619 1.jpg

 ADORMEÇER NA NOITE

  •  
  • Preciso de descansar meus olhos
    da forte luz que incide sobre páginas 
    de um livro que vou relendo pouco a pouco
    Escrito em pequenas letras que me fazem 
    piscar em demasia as cansadas pálpebras

  • O vento entra por minha janela
    trazendo a brisa gélida da escuridão
    E eu, já em dificuldade de desfolhear
    as paginas do meu livro,
    me deixo adormecer
    gozando o eterno sossego da noite
  • Lá fora, vai brilhando a lua cheia
    Lua, de luz pura até doer,
    que vai alumiando o prazer de casais 
    que se vão ofuscando de beleza com todas 
    as cores dos murmurios da paixão
    Possuindo-se em sublime gozo, 
    por debaixo da claridade, que é prelúdio
    de uma bela história de amor

  • Eu, no sono dos justos, faço meu percurso 
    de descanso, ficando-me por esta solidão 
    no adormecer da noite, que me levará 
    até ao aparecer do rei sol,
    que acontecerá dentro de algumas horas
  • Depois da noite se esgueirar entre nuvens, 
    acordarei pronto p’ra começar 
    outro dia de labuta, ficando por ali até à noite, 
    onde novamente voltarei a desfolhear 
    mais uma vez o livro, 
    até ao embebedar do meu adormecer, 
    como uma rotina imposta pelo destino

  • E a lua lá estará grandiosa e faceira
    no seu reinar, espreitando outros namorados
    cujos corações se vão saciar,
    buscando a beleza do prazer eterno
    da doce paixão
  •  
  • de: Fernando Ramos

610 - TEUS OLHOS VERDES APAIXONADOS

07
Jul17

 

610 1.jpg

 

 

  •  TEUS OLHOS VERDES APAIXONADOS
  •  
  • O verde de teus olhos, é lindo
    Mais parecem milagres de Deus
    Deitam lágrimas de mel, num pingo
    Adoçando o brilho dos olhos meus
  •  
  • Eles me levam por bom caminho
    Percorrido em doce calmaria
    Onde busco um bom cantinho 
    P'ra admirar sua magia
  •  
  • Teus olhos são um paraíso
    Onde meu amor se espalha
    São tão meigos que nem preciso 
    Sentir a loucura que me atrapalha
  •  
  • Causam prazer sem igual
    Aos meus que riem encantados
    P’la cor de um jardim celestial,
    Dos teus olhos verdes apaixonados
  •  
  • Os quero beijar com fervor,
    Nos nossos pedaços de pecado
    Deus nos perdoará sem temor
    Concedendo-nos amor sagrado
  •  
  • de; Fernando Ramos

609 - MALMEQUERES PARA D.ROSA

03
Jul17

609 fr.jpg

 

 

  • MALMEQUERES PARA D.ROSA
  •  
  • Sr. Manuel, homem ilustre e bem vivido
    Que já bateu nos cinquenta
    Um dia na vida se viu perdido
    Porque com ele, nenhuma mulher aguenta
  •  
  • Numa bela tarde ao lusco-fusco
    Encontra a Rosa numa avenida da cidade
    Olhou para ela admirado, e a custo
    Sorriu, e tomou alguma liberdade
  • “A senhora não é uma mulher qualquer”
    Dª. Rosa apanhou um susto, e reagiu mal
    Não gostou, era demais para esta mulher 
    E ainda por cima com a sua idade actual
  •  
  • Ela também já é uma boa cinquentona 
    Mulher feita, e bem feita, Louva a Deus
    Assim pensava o Manuel, daquela dona
    Para ele, era perfeita p´ra encontros seus
  •  
  • Bom... Com esta vou acertar, pensa
    E lá se pôs a convidar a bela Rosa
    Para umas saidinhas, que a deixou tensa
    dando ela como resposta, mas já furiosa:
  •  
  • “Ouça seu atrevido, desse ao respeito”
    Esta é que o bom do Manuel não esperava
    Ele ofereceu-lhe logo a preceito
    Malmequeres, e dizendo que com ela casava
  • Dª. Rosa ia desmaiando
    Mas não perdeu aquela oportunidade
    Disse que estava bem, e que com ele ia casando
    Porque eram tempos difíceis p´ra sua idade!
  •  
  • De: Fernando Ramos

Pág. 1/2