Minha Poesia

06
Fev 17

  

 

 

ESPELHO SEM DÓ

 

Estás sentada, 
e na tua frente o espelho
Olhas o rosto, 
e reparas nas tuas rugas, 
e pensas: 
Como o tempo passou meu Deus!
E notas que ruga após ruga
há nelas histórias de tua vida,
escritas num livro 
onde diariamente deixas momentos 
vencedores e vencidos,
até o inicio de vida a dois lá está

quando eram ingênuos, e daí?...

pensas!

 

Um grande amor te aconteceu
e contigo vive até hoje,
apesar de já ter passado alguns anos
Anos de muitos altos e baixos,
anos que trazem lembranças 
de bons e menos bons registos
Olhas p’ro lado do espelho
e vês fotos de quando eras 
muito mais nova
Uma lágrima cai no teu infinito,
e voa numa leve brisa de tristeza

De repente, te lembras dos filhos, 
aí sorris... 
Sentes saudades das suas meninices, 
ou quando em bebés te sugavam os seios,
na sua sofreguidão de viver , 
oferecendo-te um feliz natal à vida
Isso por momentos te conforta,
mas novamente a tristeza surge

em teu rosto 
Outra ruga que teimosamente se vinca 
na tua pele, traz mais recordações 
menos positivas, 
como quando foi a saída 
dos filhos do teu lar, 
porque também eles 
encontraram o seu grande amor

 

E outra lágrima acontece, 
mas esta não chega 
ao teu infinito diário de recordações
Porque apesar de estares menos jovem,
contigo ainda está o amor de tua vida,
que o preservas como um acto de posse
e que, ainda te preenche as noites 
e te as torna sempre doces, 
nem que seja só

p´ra te aconchegares a seu peito 

e sentires seu calor, e o seu respirar,

recordando que e só tu e ele

sabem dos tantos enlaços 

E, então, com um sorriso 
lembras-te que na morna luz da tarde,
com ele passeias todos os dias 
p’lo parque verde do bairro, 
onde tantas, e tantas vezes se amaram, 
como um poema de Florbela Espanca

 

Maldito espelho sem dó, 
pensas:
Porque me envelheces?
E outra lágrima cai 
no teu colorido jardim 
de lembranças

De: fernando ramos

 

publicado por Fernando Ramos às 16:15

 

 

A LUA E AS MADRUGADAS

 

Vejo o raiar da lua
Ao nascer da escuridão bela
A noite é minha é tua
E da lua, todos gostamos dela

 

É alegria das madrugadas
Nelas definimos juras de amor
A lua, e elas são felizardas
Assistem ao nosso esplendor

 

Guardamos a lua no coração
E as madrugadas no sentimento
Quando a olhamos, sentimos emoção

 

Perpetuando o acontecimento
A lua será o nosso aconchego 
As madrugadas, o desassossego

 

De: fernando ramos

 

publicado por Fernando Ramos às 13:08

 

 

 

EM NOME DA DEMOCRACIA DELES

 

Vieram juizes, e homens ilustres
Sábios de lacinho e cartola
Conselheiros, e mais tretas embustes
Maus políticos, e outros tristes de estola

 

E nas entrelinhas do terror

Todos vieram em nome

da democracia deles

 

Vieram os Algozes e seus cães de guarda
Pulhas, corruptos, e mentirosos à carta
Vieram os profetas da desgraça parda
Trazendo o desemprego, a fome,

e a miséria farta

 

E entre rios fragmentados de tristeza

Foi tudo em nome da democracia deles

 

E levaram:
Os católicos, Muçulmanos, Protestantes
Hindus, Budistas e outros Santos

 

E mergulhados no meio da esperteza saloia

Fizeram tudo em nome da democracia deles

 

E levaram:
Os Operários, Agricultores, Professores
As artes, o Desporto, e os Sonhadores

 

E levaram:
Comunistas, Democratas, Socialistas 
Gente de bem e até os Campistas

 

E levaram:
Os pobres, Velhos, Crianças,
Funcionários Públicos, Pastores,
A mim, e todos os outros sem aliança

 

E tudo, mas tudo

Em nome da democracia deles

 

Agora já pouco resta

Pobre Democracia que
em teu nome, tudo fazem,
tudo permitem
e se preparam para nos
dar o inferno

Mas o povo, o povo 
na sua velha sabedoria
Simplesmente diz:

NÃO, NÃO, E NÃO !!!

 

de: fernando ramos

 

publicado por Fernando Ramos às 11:56

 

 

EUROMILHÕES DA FELICIDADE

 

A sorte é para que é,
diz o povo na sua razão
Alguns prometem Fátima a pé
se ganharem muito tostão
Então, jogam no Euromilhões
os apostadores matreiros
À espera de uns milhões,
para serem ricos de dinheiros

 

A sorte não se tem,
a sorte tem de se procurar
É que, com pouco vintém
muito se pode ganhar
Na certa, até a vais encontrar
no mais simples pormenor
Num sorriso, ou num olhar
em alguém que te dá o melhor

 

E nessa amizade podes apostar,
porque ai, a riqueza é experta
Tudo que tens podes jogar
e arrecadas muito pela certa 
Joga forte e com amor,
e ganhas o teu passaporte 
Viajarás na felicidade sem dor,
e eu, te desejo boa sorte

De: fernando ramos

 

publicado por Fernando Ramos às 10:27

Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

16

19
20
21
23



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO