Minha Poesia

04
Fev 17

 

 

PRIMAVERAS FRESCAS

 

A primavera na estação aparece

Num suave jardim silvestre
E o fresco florir acontece
Com a bonita magia campestre

E nuvens, se vão sumindo no tempo
Com primaveras frescas de rosas mil
Que brotam fragrâncias ao vento
P´las chuvas de Março e Abril

 

Bem hajam jardins floridos
Repletos de tantas flores
Oferecidas a corações coloridos

Chainhos de puros amores

 

A primavera é sinal da vida
E causa-nos algum bem estar
É como a paixão sentida
Nascida para quem vai amar

Ela tem o Verão há porta
Que de mansinho deixará entrar
Nele a primavera se conforta
No seu calorzinho de abrasar

 

De: fernando ramos

publicado por Fernando Ramos às 22:14

 

 

O VELHO DA CALÇADA DE ALFAMA

 

Num passo lento e seguro
A calçada é subida por magia
Por um homem velho, mas duro
Que nela vai sem nostalgia

 

Aquela calçada de algum engano
Onde o tempo, é o seu dono
Ao velho causa desassossego e dano
Na subida que o leva ao trono

 

E dia após dia, o ritual é cumprido
Num cansaço que não desaparece
Mas naquele absurdo silêncio sumido
O velho de Alfama, não esmorece

 

No seu caminhar de absoluta beleza
O homem velho, sonatas de amor oferece
Aos novos que o olham com subtileza
p´la calçada onde o sonho não padece

 

E ele, vagarosamente por ali acima vai
Conhecendo cada pedra da calçada
Uma lágrima do seu rosto, cai
No chão, da sua vida caminhada

 

de: fernando ramos

 

publicado por Fernando Ramos às 18:10

  

 

OS NARCISOS DO NOSSO JARDIM

 

Olho os Narcisos do nosso jardim,
e tu dizias: 
Eles são o nosso 
puro sentimento de amor,
que nos acompanharão 
p´ra sempre

 

Agora à mesma hora do dia,
estou por aqui 
desde que meu coração 
ficou só, e na espera 
que se torna eterna

 

Aqui, onde planeámos,
beijamo-nos, e nos amámos,
numa mitiga esperança 
de vivência comum,
deixadas em eternas

juras de amor,
tínhamos os lindos

Narcisos silvestres
como testemunhas 
da nossa ternurenta 
paixão sem pecado


Lembro-me em cada pétala
das nossas juras,
das gargalhadas de felicidade,
dos nossos murmúrios
sem dogmas e sem leis

 

Agora, meu coração sangra
por ti, na companhia 
dos nossos Narcisos amarelos
neste jardim dos gloriosos 
dias que juntos sonhávamos

 

Hoje, o tempo para mim parou
Partiste com os Anjos
para a glorificação 
eterna de Deus
E eu, eu fiquei só, tão só, 
e até que os Narcisos 
já não apresentam 
a mesma frescura


O nosso jardim entristeceu

E eu espreito o horizonte 
com uma réstia de esperança,
aguardando que os Anjos 
também me levem p’ra junto de ti,
onde te entregarei alguns

dos nossos maravilhosos Narcisos

 

de: fernando ramos

publicado por Fernando Ramos às 12:05

 

 

TUAS PÁGINAS NÃO LIDAS

 

Ao ler o livro de teu corpo
Encontro folhas perdidas
Murmúro a revolta num sopro
P´las páginas não lidas

 

Leio-as todas no nosso leito
Com o entusiasmo de sempre
Passarei uma, a uma, do mesmo jeito
Quando de paixão te deixo ardente

 

Nesse teu livro de amor
Eu, o vou ler em fervor
Sentindo tua doce emoção

 

Como um trampolim de sonhos
Que não traz dias tristonhos 
Ao meu pobre e feliz coração

 

De: fernando ramos

publicado por Fernando Ramos às 10:14

Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

16

19
20
21
23



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO