Minha Poesia

03
Dez 20

 

  • ADEUS AO QUE ESCREVO
  •  
  • Da minha mão escrevo 
  • o que me vai na mente,
  • e ao colocar minha 
  • escrita numa folha de papel, 
  • ou num teclado do meu 
  • velho computador
  • Aí aconchego-me
  • no traçado das letras que dançam
  • com a minha fantasia
  • registando pensamentos
  • subtis e matreiros
  • ou apenas poesia de amor, 
  • talhando-as com lágrimas e sorrisos
  • Dizendo adeus
  • como se com um lenço branco 
  • acenasse à humanidade
  • Não me deixa alegre,
  • nem triste este gesto,
  • é o destino do que escrevo
  • com alma, prazer e sedução
  • Se é bom ou mau,
  • não interessa, o importante
  • é mostrar o que penso,
  • como se mostra o mundo
  • no seu melhor e pior
  • Não sei se alguém lê,
  • isso também pouco me importa,
  • o que é bom é eu escrever,
  • escrever sempre, sempre
  • com muito gozo e alegria,
  • e só isso me basta
  •  
  • de: fernando ramos
  •  
  •  
  •  
publicado por Fernando Ramos às 16:52

Dezembro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

16

25



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO