Minha Poesia

17
Dez 19

15.jpg

 

 

 O MEU BAIRRO
Ao passar nas ruas de meu bairro 
Gratas recordações 
Por mim vagueiam 
Minha infância é ali revivida 
Nos amores de outrora nascidos 

Poucas alterações meu bairro sofreu 
Mas os amores
Esses estão ficando Desvanecidos 
No tempo 
Pelas esquinas 
Das ruas que então ficaram 
Meu espírito inquieto se revolta
Pela falta dos amores infinitos
Na minha rua, pedaços de mim
Tem tantas histórias para contar
Algumas eram meus festins
Na companhia de amigos de infancia
hoje, ao relembrá-las me fazem corar
pela desfaçatez 
Que era, ser rapazes atrevidos
São factos que ainda banham
meus olhos com um brilhozinho 
bem gostoso desses tempos
Tempos, e que tempos
Que agora se vão sumindo
Porque passou tão depressa
Mas desses tempos
Hoje ainda me sinto vaidoso
Precisamente por ser filho
daquele meu bairro
Bonito, tranquilo, onde as pessoas
se cumprimentavam
com um olá, apenas
Ou um aperto de mão 
Que acompanhava sempre um sorriso
honesto, sincero de felicidade
Só por ser aquele 
O nosso bairro
Hoje nada existe 
Se não uma leve emoção errante 
E uma lágrima de saudade 
Que teimava sair 
Finalmente vê seu caminho Aberto... 
E cai
Como se fosse uma gota de chuva 
Que no passado 
Procuravam as vidraças de minha casa 
Que ainda resiste no bairro 
Apenas a casa resiste...

Fernando Ramos



publicado por Fernando Ramos às 21:09

Dezembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
14

16

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO