Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

FERNANDO RAMOS

Minha Poesia

FERNANDO RAMOS

Minha Poesia

25
Abr19

944 - CÉU DOS SONHOS

Fernando Ramos

CÉU DOS SONHOS

 

No jardim de teu amor

Meus murmúrios não podem descrever

Todo o amor que sinto por ti 

E se esse amor que sinto por ti

Fosse igual a um sonho

Seria o sonho de qualquer amor

Que levaria ao céu dos sonhos

Sinais de paixão pintados numa tela

De estrelas tecidas em silencio

Na cor dos afetos

E na miragem do céu dos sonhos

Vou por um caminho sereno e meigo

Querendo desvendar teus segredos

Como um poema de paixão

Tão perfeito como um conto de amor

Num idioma varrido de palavras

Que não podem escrever

No terraço do mundo da paixão

Em letras douradas

O celeiro do nosso amor

 

 de: Fernando Ramos

2.2.2014

 

 

23
Abr19

943 - PERDI A DONA DE MEU CORAÇÃO

Fernando Ramos

PERDI  A DONA DE MEU CORAÇÃO

 

Perdi seu olhar e seu coração
Perdi seu sorriso e sua emoção
Perdi seus beijos que me deixava tonto

Perdi seu sorriso, meu poema
Perdi as vezes que dizia não
Perdi meu sonho minha ilusão

Perdi o motivo de chorar de alegria
Perdi o brilho feito noite de luar
Perdi seu jeito de bem me amar
Perdi nossas loucuras tidas no chão

Perdi a voz de seu olhar falando

Perdi seu corpo em meu colo sentando
Perdi a dona de meu coração

 

De: Fernando Ramos

30.1.2014

 

21
Abr19

942 - SOU

Fernando Ramos

 

 

SOU

 

Ás vezes sou vento

Outras sentimento

Outras ainda mar

Alegria, tristeza, esperança

Outras amor

Outras lágrimas

Outras sonhos

Arrogante, teimoso

Generoso ou arco-íris

Sou como sou

Como cada um é

Não sou nem serei eterno

Nem perfeito

Tentarei ser forte

E entre abraços e beijos

Quero ser amigo

E um bom companheiro

Para no silencio

daquilo que sou

ser eu, apenas eu

um filho de Deus

 

de Fernando Ramos

21.1.2014

19
Abr19

941 - MÃE, PAI

Fernando Ramos

 

 

MÃE E PAI

 

Mãe e Pai, são palavras pequenas

Que nos enchem de orgulho e encanto

Prenunciadas de formas serenas

Por quem com vaidade os ama tanto

 

Mãe e Pai, é dar vida docemente

É paixão sentida eternamente

Embalar com carinho perdidamente

Num afagar de amor comovente  

 

Mãe e Pai, é o nascer e sonhar

Partilhar sem hora marcada

Ensinar, cuidar e amar

Pelos anos que a vida durar

 

Mãe e Pai, são flores dum belo jardim

E seu amor é a nossa fortaleza

Que amamos e guardamos até ao fim

Da nossa caminhada leve ou de dureza 

 

Mãe e Pai, é estar sempre presente

Orar a Deus p´ra um filho acompanhar

É ser amigo, cúmplice e confidente

Mesmo que voem p´ra um ninho encontrar

 

Mãe e Pai, é mostrar caminhos

Que uma família sabe assumir

É estar gratos escolhendo bem os trilhos

Que na missão de pais devem construir

 

Mãe e Pai, quando nos falta sua amizade  

Só Deus sabe quem inventou a distância

E certamente desconhecia a dor da saudade

De quem nos educou com amor e elegância

 

De: Fernando Ramos

15.1.2014

 

 

15
Abr19

940 - JARDIM DOS LIRIOS

Fernando Ramos

 

JARDIM DOS LIRIOS

 

Seguro entre os meus ágeis dedos
Murmurando às madrugadas
Ateadas de luzes

O anel do nosso amor

E lembro que entre danças

Da tua beleza, doçura e ternura

 

No meio de melosa paixão

Deitados no nosso leito

Te entreguei o anel

Prometendo casarmos

Num jardim de lírios 
Onde pousam as pétalas
Duma Primavera húmida

E no aconchego traçado

Das palavras de um poema

Jurámos não acolher

A infinita saudade

Nas ruelas do tempo

E dar passeios eternos

Sempre, e sempre

No mesmo jardim dos lírios

 

De: Fernando Ramos

2.1.2014

12
Abr19

939 - DOEU

Fernando Ramos

 

 

DOEU

 

Doeu ao saíres da minha vida,
Sem se quer olhares p'ra trás
Ouvi apenas a batida

Do silencio que a solidão trás

 

Doeu não só ao inquieto coração
Doeu também ao amor do meu peito
Doeu não saber bem por qual a razão
De ires embora, ficando eu desfeito

 

Foste embora levando o passado

E doeu aos sonhos tidos no leito

Fiquei em baixo, meio arrastado
Doeu ao pensar na falta de teu peito

Foi a hora do triste adeus
E meu céu escureceu

Caindo lágrimas em olhos meus

E ao meu amor por ti, ai se doeu  

 

De: Fernando Ramos

30.1.2013

10
Abr19

938 - NATAL DA FAMÍLIA

Fernando Ramos

 

938 (2).jpg

 

NATAL DA FAMILIA

 

Luzes coloridas piscando

Nas árvores nas casas de cada um de nós

É sinal de mais um Natal que chegou

É mais uma certeza nesta quadra

De nos lembrarmos uns dos outros

E o que é bem bonito é que apesar

De não estarmos juntos; NÓS NOS AMAMOS 

E é uma felicidade de sentirmos amados

Por todos os familiares 

Apesar de sermos como cada um é

E as bolinhas brilhantes das nossas arvores

Ficam mais bonitas no nosso Natal

E ao olharmos para elas pensamos

Nos Natais passados que sempre tiveram

A mesma alegria e nos fizeram aproveitar

Bem as pequenas coisas da vida

Que hoje nos faz perceber 

COMO ELAS ERAM BEM GRANDES

E sempre nos fizeram crer

Que o ano novo que se aproximava

Seria sempre o melhor ano 

Assim... Agora para todos nós, BOM NATAL

E para o novo ano que se aproxima: BOM ANO 

BOM NATAL E BOM ANO

PARA TODOS OS NOSSOS FAMILIARES 

 

de: Fernando Ramos

25.12.2013

06
Abr19

937 - NATAL DO RICO E DO POBRE

Fernando Ramos

 

 

937 (2).jpg

 

NATAL DO RICO E DO POBRE

 

Chegou a festa do dia de Natal

Ela é de grandes e pequenos

Mas p´ra todos, nada é igual

Uns levam mais, outros menos

 

O pobre, triste cético e desolado

O rico feliz e com muito enseio

Um de saco vazio, mas abençoado

Outro contente de saco bem cheio

 

De manhã o pobre, mais pobrezinho

E o rico mais rico bem endinheirado 

Olha pró pobre sem sapatinho

No seu trilho de ilusão bem calçado

 

O natal p´ra ricos não é pequenino

Pró pobre é grande é bem amado

Recebendo sorrisos do Deus menino

Que o rico vazio recebe de bom agrado 

 

A vida p´ra todos não é igual

Prós ricos é bem mais generosa

Prós pobres recebem no seu final 

O amor de Deus na estadia gloriosa

 

de: Fernando Ramos

29.1.2014

04
Abr19

936 - GAIVOTA CATRAIA

Fernando Ramos

 

 

GAIVOTA CATRAIA

 

Sei duma casa na praia

Junto ao mar verde e azul

Mora lá uma gaivota catraia

Vinda dos longínquos mares do sul

 

Sua casa é seu doce ninho

Feito de ternura e muitos amores

Tem janelas em madeira de pinho

E cortinas de chita pintadas de cores

 

P´ra casa o sol espreita de manhãzinha

Com sorrisos de mel e calor

E areia aconchega até à noitinha

Com seu dourado feliz de esplendor

 

E a gaivota sonha que voava

Por mares que não são dali

Hoje está onde não estava

Virada ao vento soprado por ali

  

E o mar profundo, largo e bravo

Em lágrimas de espuma bate na casa

entregando peixes não cobrando centavo

À gaivota agradecida batendo sua asa

 

Sei duma casa na praia

Junto ao mar verde e azul

Mora lá uma gaivota catraia

Vinda dos longínquos mares do sul

 

de: Fernando Ramos

23.12.2013

 

30
Mar19

935 - OUTRO NINHO

Fernando Ramos

 

OUTRO NINHO

 

Deixei em casa teu anel

E nesse ninho também uma flor

Foi numa tarde de azul do céu

Que ali findou nosso amor

 

Pelas madrugadas da lua

Em noites de muito calor

Tu eras um quadro na parede nua

Que já recordei com tanta dor

 

O tempo vai passando e chorarei

Toda a saudade que meu coração quiser

Ate hoje, outra paixão não mais encontrei

Porque só vou amar quem bem me quer

 

Tu eras um amor tão bem sonhado

Que me trás saudade e amargura

Vou-me lembrando do nosso passado

Que afinal era uma noite escura

 

São voltas que a vida no mundo dá

Não mais voltamos a estar pertinho

Comprei outro anel que outra levará

E com ela me deitarei em outro ninho

 

De: Fernando Ramos

18.12.2013

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D