Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

FERNANDO RAMOS

Minha Poesia

FERNANDO RAMOS

Minha Poesia

19
Out18

886 - OS CARRIS DA VIDA

Fernando Ramos

886 (2).jpg

 

  • CARRIS DA VIDA 
  • Pelos longos carris da vida
  • A viagem leva-nos a um cantinho
  • Uma ou outra paragem de saída
  • Nos indicará a sorte do destino
  • E por largos desconhecimentos
  • Desafiamos caminhos coloridos
  • Deciframos tantos cruzamentos
  • Em lugares por aí desconhecidos  
  •  
  • Se não se conseguir a sorte apanhar
  • No comboio que passa pela vida
  • Entre olhares e palavras vamos dar
  • Ao percurso da bela aurora apetecida
  • E se o comboio por ela não passar
  • É Deus que decide, e não eu
  • E quando ao infinito um dia chegar
  • Abre-se as portas do céu que é seu
  •  
  • De: Fernando Ramos 
18
Out18

885 - MARIA

Fernando Ramos

 

885.jpg

 

885 - MARIA

 

Maria, vou passar pela baixa

Subir a calçada ao Bairro Alto

Beber um tinto de fina caixa

Gozando o prazer sem sobressalto

 

Sabes bem que sou boémio

E disso nunca te enganei

Sei que sou fraco prémio

Pró teu coração que ateei

 

Maria, és a minha doce paixão

E completas toda a minha vida

Mas à tasca não digo não

É lá, minha chegada e partida

 

Sabes as noites frias que passo lá

Com satisfação que dá cansaços

E que entre copos de lá para cá

Vou saboreando a vida aos pedaços

 

O Bairro alto é outra paixão

Desde que era muito novo

E lá entrego minha consolação

Bem juntinho ao vinho novo

 

Foi lá que te encontrei

E meu coração em ti se perdeu

Hoje te digo que sempre te amei

Mas o triste vício me acolheu

 

De: Fernando Ramos

17
Out18

884 - MÁGOA PERDIDA

Fernando Ramos

 

884 (2).jpg

  •  884 - MÁGOA PERDIDA
  •  
  • Lá vai a mágoa, e vai perdida
  • Leva muito p’ra chorar
  • É de uma dura vida, vencida
  • Que ficou sem um meloso amar
  •  
  • Se sente bastante traída
  • E sem nada a esconder
  • Sofreu boa parte da vida
  • E p´ra um papiro vai escrever
  •  
  • Foram tantas horas escondidas
  • E sua noite nunca amanheceu
  • Até as estrelas andaram fugidas
  • Do brilho que ela não se envolveu     
  •  
  • E a mágoa perdida cai
  • Seguindo o trilho da tristeza
  • Deixa a dor que entra e sai
  • Dum coração batido p´la dureza
  •  
  • De: Fernando Ramos
16
Out18

883 - OLHAR O MUNDO

Fernando Ramos

 

883 (2).jpg

 

  • OLHAR O MUNDO
  •  
  • Vou por aí e não tenho pressa
  • Vou olhando o mundo tal como ele é
  • Observando pessoas que por mim passam
  • E com elas vai uma história e um destino
  • E ao vê-las, julgo que a felicidade
  • Já ali não mora, tal como me acontece
  •  
  • Todos os dias, todas as manhãs
  • Faço o meu caminho cheirando os dias
  • E as estações do ano
  • Que por mim vão esperando
  • Na longa estrada que conheço
  • Rodeada de todas as árvores
  • E dos males do universo
  • Que fazem parte da minha vida
  • E também da minha história
  • Que morrerá na poeira do tempo
  •  
  • É preciso observar o mundo
  • Que faz da alma um jardim em flor
  • E que apesar de nele, eu ir devagar
  • Para mim sorri, e para mim se entrega
  • De amor, e de amor eu me oferto a ele
  • Aos outros e à natureza
  • Que tão generosa é para nós
  • Sendo apenas necessário
  • Que homens e mulheres ganhem coragem
  • Para virar a esquina do medo
  • Pedindo a Deus outra direcção ao mundo
  • Com crença, verdade e paixão
  • Para que ele não se destrua
  •  
  • De: Fernando Ramos
14
Out18

882 - MÃE, DOCE BRILHAR

Fernando Ramos

882 (1) (1).jpg

 

 

  • MÃE, DOCE BRILHAR
  •  
  • Mãe, nossa mais querida amiga
  • Mulher que nos quiseste por bem
  • És o poema da rosa mais florida
  • No jardim do Deus do além
  •  
  • Um dia, levou-te por amor
  • Por seres a Santa de teus filhos
  • Em nós ficou um penoso temor
  • Da perdição dos maus caminhos
  •  
  • Nossa mãe que adoças o céu      
  • No maravilhoso paraíso de Deus
  • Olha por nós nas noites de breu
  • Com o puro amor dos olhos teus
  •  
  • Nós ansiamos p´lo teu doce brilhar
  • No silêncio da tua poesia
  • P´ra que nunca nos deixes pecar
  • Recebendo o calor da tua magia
  •  
  • De: Fernando Ramos
10
Out18

881 - MÁ VIDA PASSADA

Fernando Ramos

  

881 (2).jpg

 

881 - MÁ VIDA PASSADA

 

P´ra ti mãezinha, minha flor

Que vives no meu coração

Faço uma declaração de amor

Beijando-te de ternura e paixão

 

Tu és toda a minha vida

E recebes minha adoração

Sei que tua vida foi sofrida

Com o infinito eco da tua razão       

 

Perdoa-me querida mãe

Por meu vicio ser magoado               

Mas Deus, e tu sabem bem

Ser este meu destino traçado

 

Não percebo as chamas deste pecar

Talvez por má vida passada

Sofro muito por te mal tratar

No silencio da dor desgraçada

 

Sabes que me quero redimir

Mas a droga é minha tortura 

Acabo sempre por te mentir

Com a profundeza da amargura

 

De: Farnando Ramos

08
Out18

880 - FILHOS DE GENTE POBRE

Fernando Ramos

 

880.jpg

 

 

FILHOS DE GENTE POBRE

 

Somos filhos de gente pobre

E batemos o chão descalço

Nosso olhar via a fome

E o pão era nosso encalço

 

Somos filhos de gente feliz

Gente que Deus sempre amou          

Deu-nos o destino que quis

Prós caminhos, que a vida doou           

 

Somos filhos de boa gente

Gente de enorme afeição

E nos silêncios que o coração sente

As lembranças são nossa emoção

 

Somos filhos de tanto amor

De chama viva muito extensa

Na nossa união brilha a cor

Da pura amizade tão imensa

 

De: Fernando Ramos

21.9.2012

06
Out18

879 - PERDIDO DE AMOR

Fernando Ramos

 

879 (2).jpg

 

  • 879 -  PERDIDO DE AMOR
  •  
  • A dor silenciou minha alma um dia
  • Por estar de ti embriagado de amor
  • Fazendo dele música de bela melodia        
  • Deixando-me presioneiro e sonhador 
  •  
  • Já não sei mais o que fazer
  • P´ra me soltar deste destino   
  • Tão apertado por tanto te querer
  • Desfazendo minha vida que arruino
  •  
  • Perdido de ti, em louca paixão
  • Em mim gira um carrossel de ansiedade    
  • Numa doce ondulada bela emoção
  • Esperando que sintas minha vontade  
  •  
  • Meu amor por ti é um recitar de fascínio
  • E a luz soberba da poesia de abraços
  • Que escrevo p´ra ti em desatino
  • Em folhas que guardo atadas em laços     
  •  
  • De Fernando Ramos
02
Out18

878 - DE TAÇA NA MÃO

Fernando Ramos

 

878.jpg

 

  • 878 - DE TAÇA NA MÃO
  •  
  • No meu bairro junto à casa
  • Do homem negro
  • Critica-se quem nos governa.
  • E ali no restaurante do homem de bem
  • Apetece chorar e ninguém chora
  • Apetece falar e poucos falam
  • E o preto de taça na mão
  • Observa à sua porta
  • Aquela gente que se junta
  • Dentro do desespero do momento
  • Murmurando porque elegerem
  • Quem lhes mentiu e faz mal
  •  
  • E este triste acto dá vontade
  • De falecer a quem vive
  • Dentro da miséria
  • Porque é nesse estado
  • Que caminha um povo
  • Que traçava rotas sem desvios
  • E que mais uma vez acreditou
  • Já tendo esquecido um passado
  • Que nunca imaginava que voltaria
  • Mergulhado nas lágrimas da fome
  • Perdendo mais uma vez
  • O perfume da esperança
  • E a oportunidade da mudança
  •  
  • Somos um povo
  • Que não deixa de acreditar e sonhar
  • P`ra que seu sonho se realize
  • No galho mais alto
  • Do ambicionado ninho da liberdade
  • Tantas vezes ansiada
  • Na casa do preto de taça na mão
  •  
  • De: Fernando Ramos
01
Out18

877 - LÁGRIMAS DE CRISTAL

Fernando Ramos

 

 877 (2).jpg

  • 877 - LÁGRIMAS DE CRISTAL
  •  
  • Choras lágrimas de cristal
  • Pela tua terrível dor
  • Elas caíram por esse mal
  • Vir dum coração sofredor
  •  
  • Recebe suspiros quem não deve
  • Já há muito sabias disso
  • Só teu peito é que perde
  • Por esse amor submisso
  •  
  • Parte para outra minha amiga
  • Porque a vida contínua
  • Dá a paixão dele por perdida
  • Porque ela nunca foi tua
  •  
  • Tuas lágrimas de cristal
  • Deixam cair a solidão
  • Porque de forma natural
  • Lavam a dor do coração
  •  
  • de: Fernando Ramos

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D