Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





235 - MULHER DE UM HOMEM SÓ

por Fernando Ramos, em 30.11.16

 

 

  • MULHER DE UM HOMEM SÓ

  • Maria, entrou no largo da saudade
  • Bamboleando seu corpo de formosura
  • Doce é, o andar de bondade
  • E também o olhar de ternura
  • A todos, nesse lugar ela comoveu
  • Com sua silhueta de brandas curvas
  • Naquele dia, que cedo entardeceu
  • Do quadro não ficaram imagens turvas

  • Os homens pensavam que era um sonho
  • De observar por ali tanta leveza
  • Seu olhar belo e risonho
  • Diziam ser filho da infinita natureza
  • Todos eles, ela encantava
  • E felizes ficavam só de a ver
  • Quando por eles, ela passava
  • Caía um perfume malicioso de entontecer
  •  
  • Os homens se deslumbravam p´la cena
  • E os olhares escreviam poemas de pecar
  • Seus corações entristeciam-se de pena
  • Por eles, a Deusa não desnudar
  •  
  • Mas, é uma Mulher de tanta beleza
  • E também de um homem só
  • P'ra todos é uma frieza
  • Ficando Maria, com pena deles e dó
  • Mulher linda e tão singela
  • Deus com a diva foi tão generoso
  • Os homens endoidecem por  ela
  • E p´lo seu provocante andar gracioso
  •  
  • de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:25


234 - A ÁGUIA É A NOSSA VITÓRIA

por Fernando Ramos, em 30.11.16

 

 

  • A AGUIA É A NOSSA VITÓRIA

  • Nossa águia é um espanto
  • Gostamos muito de a ver
  • No Seu belo voo rasante
  • Vai todo o seu vencer

  • Nela está a nossa rica história
  • Na sua força a nossa grandeza
  • Em seu voar vai a nossa memória
  • Vencendo com toda a beleza

  • É a águia de tanta alegria
  • Que nos leva à glória
  • Nas asas suporta simpatia
  • Empurrando-nos p’ra vitória

  • Ao olharmos a Águia nas alturas
  • Sentimos uma enorme emoção
  • Aos adversários causas tonturas
  • E em nós, o aperto no coração
  •  
  • de: fernando ramos
  •  

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:24


233 - A EXPLANADA DA PRAIA DO REI

por Fernando Ramos, em 30.11.16

  • A EXPLANADA DA PRAIA DO REI
  •  
  • Na praia, a manhã passei
  • E na explanada por ali fiquei
  • Porque se come muito bem
  • Naquela praia dita do Rei
  • Da lá observo as ondas do mar
  • E as bonitas cores que tem
  • Óptimos banhos se podem tomar
  • E belos mergulhos também
  • Que bem se está, na explanada
  • Do Restaurante da praia do Rei
  • Bom sol se apanha lá
  • E a sombra é boa, bem sei
  • Mas antes de ir pró almoço
  • Um bom banho não deixo de tomar
  • No almoço, como peixe saboroso
  • depois p´la areia vou ficar

  • de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:02


232 - MANHÃS RADIOSAS

por Fernando Ramos, em 29.11.16

 

 

  • MANHÃS RADIOSAS
  •  
  • Belas manhãs radiosas
  • Passamos nós p´lo tempo
  • Algumas são bem airosas
  • Com muito pouco lamento

  • Essas, queremos sempre ter
  • Nesta passagem pela vida
  • Que termine quando desaparecer
  • Nossa feliz paixão conseguida

  • Que as manhãs cheguem sempre
  • Pela aurora fina como seda       
  • Pró nosso amor ficar contente
  • E dele se faça ópera soberba     
  •  
  • A opera que tenha bom final
  • Com actores de muita experiência
  • P´ra ser um êxito sem igual
  • Como as manhãs de boa vivência

  • de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:59


231 - MOINHOS DE VENTO

por Fernando Ramos, em 29.11.16

 

 

  • MOINHOS DE VENTO
  •  
  • Eram moinhos de vento
  • E contra eles o cavaleiro lutava
  • Lá era feito o sustento
  • P´ra todos que perto moravam
  •  
  • Era aí que o sonhador D. Quixote
  • Guerreava com eles à tardinha
  • Levava por baixo de seu capote
  • Muitos, e muitos quilos de farinha
  •  
  • Pró povo se alimentar
  • O bom pão era lá feito
  • E D. Quixote a todos ia amar
  • No seu juízo perfeito

  • Eram moinhos de vento e de amor
  • E por eles D. Quixote sofria
  • Imaginava duras lutas de dor
  • Mas essas ele não as queria
  •  
  • E de bem com eles ficou
  • Os moinhos de sua glória
  • D. Quixote assim lutou
  • Sentindo o prazer da vitória
  •  
  • Herói e justo guerreiro
  • Que todos nós apaixonou
  • Tu serás eternamente o primeiro
  • Do povo que sempre te amou

  • De: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:17


230 - UMA BELA AMIZADE

por Fernando Ramos, em 29.11.16

 

 

  • UMA BELA AMIZADE

  • Uma bela amizade
  • Nasce sem a gente querer
  • Que ela dure a eternidade
  • Seguindo-nos p´lo doce viver

  • É bom ter amigos a vida inteira
  • Alguns até se deixam de ver
  • Mas são amizades de boa maneira
  • Que acabam quando se tem de morrer

  • E assim meus amigos
  • Aqui estaremos sempre convosco
  • P´ara nós não há tempos perdidos
  • O vosso amor está connosco

  • Nós, vos oferecemos um girassol
  • P´la nossa bonita amizade
  • Deus, vos dê sempre radioso sol
  • E não vos traga a saudade

  • de: fernando Ramos -
  • Prós amigos - Vira/Filó/João/Miguel

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:51


229 - TANGARÁ

por Fernando Ramos, em 28.11.16

 

 

  • O TANGARÁ

  • Meu querido Tangará
  • Trazes o cantar nas penas
  • Teu bico feliz andará
  • Mesmo nas cantigas pequenas

  • Atrais quem te vai amar
  • Fraccionando as penas umas nas outras
  • Daí vem teu belo cantar
  • Deixando as fêmeas loucas

  • Teu cantar é tão romântico
  • Que a ti ouvem com paixão
  • Tão bonito é esse cântico
  • Que elas nunca dizem não

  • E contigo acasalam
  • Muito por causa do teu cantar
  • E às outras aves, elas palram
  • Que de ti vão sempre gostar

  • Tangará minha avezinha
  • És a única que palra assim
  • Nesse cantar estás sozinha
  • Que até surpreendes a mim

  • Canta sempre Tangará
  • Esse cântico alegre e vistoso
  • Porque um dia haverá
  • Quem o ache maravilhoso

  • Dizem que bates as asas
  • Cem vezes por segundo
  • Por causa delas tu casas
  • Com as melhores fêmeas do mundo

  • Canta Tangará, canta
  • Para todos nós ouvirmos
  • Quem canta seus males espanta
  • Para na nossa vida sorrirmos

  • de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:12


228 - MÃOS DE FADA

por Fernando Ramos, em 28.11.16

 

 

MÃOS DE FADA


E tu irmã, de mãos de fada

De mim cuidaste desde cedo

Viste acontecer minha vida iniciada

Do parto que à mãe não deu medo

 

De mim sempre bem trataste

Em tuas mãos cheias de amor

Com elas me preparaste

Para um futuro de bela cor


Minha irmã de mãos de magia

Delas bebi teu bom saber

Sem ti, não sei o que seria

Se a dor hoje, me aparecer

 

Eras a dona de toda a arte

Dos beijos de mel de bom sabor

Teu calor ficou, e nunca parte

De meu coração que sufoca de dor

 

Partiste mais cedo que devias

Deixaste-me só na vida prolongada

Serei o homem que tu querias

Protegido por tuas mãos de fada

 

de: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:46


227 - DESESPERADO

por Fernando Ramos, em 27.11.16

 

 

DESESPERADO

 

Ando por aí desesperado

Por minha má vida levar

Sou um pobre coitado

E até já penso me suicidar

 

Tenho esta má sorte

De ser uma alma perdida

Como já penso na morte

Isto é uma triste sina

 

Minha vida é de pecados

Cometidos ao sabor do vento

Eles me consomem aos bocados

Por isso este meu lamento

 

Ao álcool me dediquei

Bebendo muito sem parar

É uma vida que não desejei

Tudo isto tenho de mudar

 

Mas tudo vou alterar

Penso eu com convicção

Julgo que alguém vai ajudar

Nesta minha decisão

 

Meu desespero terminou

Vida nova vou começar

Deus bem me ajudou

Nova atitude vou honrrar


de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:34


226 - UMA FOLHA VAGABUNDA

por Fernando Ramos, em 27.11.16

 

 

UMA FOLHA VAGABUNDA


És folha vagabunda

Foi a árvore que quis assim

Dá-lhe alegria profunda

E ela sentirá saudades de ti


No vento andas à deriva

Páras aqui, e ali

Uma brisa minha amiga

Vai-te trazer até a mim


Irás ser muito feliz

No passeio de bem viver

Se foi assim que Deus quis

Deixa a árvore perceber


Vai minha folha amiga

P'ra tua viagem estonteante

A árvore se sente perdida

Dá-lhe esperança embriagante


Essa esperança a árvore terá

Se da folha ouvir falar

A lágrima feliz cairá

Se um dia a folha voltar


de: fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:10


225 - O TÉLELE NA ESTRADA

por Fernando Ramos, em 27.11.16

 

 

O TÉLELE NA ESTRADA - rap


Pela estrada da Alegria

Aí vou eu noite e dia

Encontro o Zé Proença

Levando a telefonia

 

Com ele bem converso

Por causa do meu télele

Porque nele telefonar

Nem eu sei bem como é

 

Também encontro a Francelina

Que vai à praça do largo

Comprar comidinha

P´ra neta  que tem a cargo

 

"Eu tenho um télele

É bonito e toca bem

Muitos perguntam o que é

E digo que nem eu sei"

 

E lá vou p´la estrada fora

E outros mais vou encontrando

Agora estou com a Maria Aurora

Que, com ela vou caminhando

 

Aquela via é tão bela

Como a estrada de Damasco

Eu nestes pensamentos

Entretanto aparece o Vasco

 

Da sua vida vai falando

Porque o filho está na tropa

Seus dias são um tormento

Que os passa em sofrimento

 

Continuo  pela estrada

Com o télele de primor

Que não há meio de tocar

P´ra ouvir o meu amor

 

"Eu tenho um télele

É bonito e toca bem

Muitos perguntam o que é

E digo que nem eu sei"

 

E rosas vou apanhando

P´ra dar, a ela com fervor

Que me espera no bar do Nando

Bem próximo do senhor Prior

 

É a mulher mais linda

Que no mundo pode existir

Rosa Maria de seu nome

Que meu coração anda a partir

 

"Eu tenho um télele

É bonito e toca bem

Muitos perguntam o que é

E digo que nem eu sei"

 

Esta estrada não tem fim

E flores vou apanhando

Mais amigos passam por mim

A eles vou acenando

 

No meio da estrada vou parar

E atender o télele

É a Rosa a telefona

Que já lá está no café

 

Ela, diz p´ra ir depressa

Porque chegou a irmã Vanessa

E, lá fui correndo por ali

P´ra dizer à minha irmã

Que saudades tenho de si

 

Ó estrada, tu não acabas

Mas eu fico por aqui

meu télele já toca

Porque o amor ligou p´ra mim

 

"Eu tenho um télele

É bonito e toca bem

todos perguntam o que é

E digo, que nem eu sei"

 

de: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:50


224 - SAUDADES LEVA O VENTO

por Fernando Ramos, em 26.11.16

 

 

SAUDADES LEVA O VENTO


Saudades leva o vento

P´ra minha triste sina

Nele vai um lamento

De uma paixão perdida

 

Se o lamento continuar

Mais saudades terei

Meu amor me irá deixar

E seus abraços perderei


Volta vento depressa

Tira-me deste sofrer

Meu amor não regressa

Estou a entristecer

 

Ele é tudo para mim

E na alma persiste

Vento, não posso viver assim

Meu coração não resiste

 

A saudade e o lamento

Não há meio de chegar

Vou ter um novo alento

Mas não me irei matar

 

Isso, eu não faço

Nenhuma paixão o merece

A vida não é nenhum acaso

Só porque de amor padece

 

Adeus vento e saudade

Lamentos e outros tais

Hoje começa minha liberdade

Destas paixões não quero mais

 

Isto de amar alguém

Até pode ser uma canseira

Um dia aparece novo bem

E lá sofro da mesma maneira

 

de: Fernando Ramos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:07


223 AMIGO GOLFINHO

por Fernando Ramos, em 26.11.16

 

 

AMIGO GOLFINHO

 

Tenho um golfinho amigo

Ali, p´ra águas do Sado

Andava triste e perdido

Mas um dia foi encontrado

Por Bisnau foi baptizado

E muito feliz ele ficou

Por amigos é bem amado

Que por eles se apaixonou


Ele é muito brincalhão

Porque muitas partidas faz

Vocês acreditem ou não

Do que este amiguinho é capaz

 

Então... não é que um Pescador

Que ia na sua traineira

Naquele mar de primor

Foi levado p´ra brincadeira

Por este golfinho descarado

Que a traineira fez balançar

Deixando o pescador bem molhado

Que com ele, não se foi zangar

 

Ó golfinho brincalhão!

Diz o pescador, ao Bisnau

Ando com as redes em mar chão

P´ra ver se apanho o carapau

E tu me deixas todo molhado

Neste belo rio salgado


O golfinho para as pazes fazer

Chamou os carapaus com rigor

Para uma bela pesca oferecer

Ao querido amigo pescador


Lá foram os dois muito contentes

Pelo Rio Sado, devagar

Levando como presente

Uma pesca de encantar

 

Bisnau, e o Pescador

Que no Sado muitos os vejam

Não dêem aos golfinhos dor

Que eles a nós, só nos beijam


de: fernando ramos  -

Para o golfinho - www.golfinhu2.weblog.com.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00


222 - JOGO DA BOLA

por Fernando Ramos, em 26.11.16

 

 

JOGO DA BOLA

 

Vão por aí uns pequenos

A correr atrás da bola

Podemos saber, ao menos

Se eles andam bons da tola


Lá no estádio aplaudidos são

E correm que nem doidos

A bola também se joga à mão

Por dois guarda redes afoitos

 

É um espectáculo lindo

Ver os Atletas jogar

E quando o jogo está findo

O melhor é a nossa equipa ganhar

 

Eles dão pontapés na bola

E também na caneleira

Algumas pernas se esfolam

Porque não jogam de boa maneira


Vamos lá jogar bem

Para todos ficarmos contentes

Se o meu clube ganhar, ainda bem

É porque somos diferentes

 

De: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:46


221 - A ROSA DA NOSSA VIDA

por Fernando Ramos, em 25.11.16

 

 

A ROSA DA NOSSA VIDA

 

De ti, recebi uma rosa

Num dia de primavera

Eu a guardo porque é nossa

E também minha quimera


Nossos sonhos p´la rosa vão

Escritos num livro de poesia

Nossas vidas são desde então

Os tons de uma bela sinfonia


Que Deus faça a rosa durar

Até ao fim das nossas vidas

Assim o livro irá ficar

Com páginas todas lidas

 

As pétalas da rosa são

Pedaços dos nossos desejos

Eu as guardo no coração

Como mel de nossos beijos

 

Obrigado pela rosa

E p´lo acto sedutor

Eternamente ficará viçosa

Como símbolo do puro amor

 

De: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:10


220 - VALERIA FADISTA DE RAÇA

por Fernando Ramos, em 25.11.16

  

 

VALERIA FADISTA DE RAÇA


Valeria, artista cantante

Que ao fado sempre se deu

É uma mulher de voz cativante

Que canta só, o que é seu

Canta com muita emoção

Fados de sua alma

Escritos por sua mão

Nos tempos de boa calma

 

Ela do povo, é

E para ele canta de amor

Sempre com muita fé

Não façam barulho por favor

E lá cantou Valéria

Um fado de muitos vestígios

O publico viu em sua aura

Mulher de muitos prodígios

 

Ela ama a sua gente

Na sua branda forma de estar

Para ela  faz o fado convicente

P´ra depois se ouvir cantar

Valéria é de tradições

Com sua escrita de moda antiga

Canta nos belos serões

Poesia p´ra linda cantiga

 

E canta de olhos fechados

Refrões de maior sentimento

Seus versos tão apaixonados

Com rimas de grande lamento

Alguns fados dela, por aí se cantam

em tabernas de gente feliz

E lá, todos com ela se espantam

Dos poemas que Deus lhe diz

 

Ela, é fadista da liberdade

E seu cantar, tão bem soa

Quando partir deixa a saudade

Lá para os lados da noite boa

É de lá, e de todo o país

Para nós não é nenhuma desgraça

Cantar foi o sonho que quiz

Valéria, fadista de raça

 

De fernando ramos

- para a Valéria

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:27


219 - A SAUDADE CHEGA

por Fernando Ramos, em 25.11.16

 

 

A SAUDADE CHEGA

 

Quando a saudade bate à porta

Meu coração é sofrimento

Mas isso pouco importa

Ela passa a qualquer momento

 

E, se a saudade não passar

Serei oceano num mar de amor

Cujas ondas me levam a navegar

P´lo meu peito, que sofre na dor

 

Por saudade há gente que sofre

Todos os dias a toda a hora

E também há quem delas morre

Porque a saudade não vai embora

 

Por isso amor vem depressa

P´ra meu coração tranquilizar

É que, tenho muita pressa

E de saudade estou a desesperar

 

Volta rápido meu amor

Alivia-me desta triste maldade

Vivo em perfeito pavor

Porque não parte a saudade

 

de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:47


218 - BEIJO MOLHADO

por Fernando Ramos, em 24.11.16

 

 

BEIJO MOLHADO

 

Dei-te um beijo molhado

Em teus lábios de doçura

Dele, não disseste obrigado

Apenas fizeste censura


Fiquei preocupado

Pela tua desfaçatez

Deles havias sempre gostado

E pedias mais e mais, outra vez


Por aí, algo se passa

E eu não estou a perceber

Diz lá se é alguma graça

Ou não te está apetecer


Afinal era mesmo isso

Que estava acontecer

Voltei a ver teu sorriso

De manhã e ao anoitecer


Aí te beijo outra vez

Com a mesma doçura

E teremos a sensatez

De o guardar na loucura


E não, na mágoa sofrida

Que me tráz tantos desejos

De amar-te pela vida

Como um poena de beijos


de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00


217 - AJUDA DO FEITICEIRO

por Fernando Ramos, em 24.11.16

 

 

AJUDA DO FEITICEIRO


O velho feiticeiro diz:

Que meu silêncio é de pedra

Ele acha que o cupido quis

Que não quebrasse essa regra

 

É que eu tinha prometido

De amor, nem ao vento falar

Já que não tinha conseguido

A bela mulher conquistar

 

Este silêncio vou quebrar

Porque, por ela ando exaurido

E ao feiticeiro vou contar

Como não sou correspondido

 

Ele vai ter de me ajudar

Meu coração não aguenta

Eu por ela vou acabar

Mal com minha tormenta

 

O meu silêncio terminou

E agora grito ao mundo

Amo a mulher que me levou

Ao maior silêncio profundo

 

Lindas rosas lhe ofereci

Porque o feiticeiro me aconselhou

Lutei tanto que consegui

Seu amor que demorou

 

O mundo ficou a saber

O que o feiticeiro fez por mim

Que ele deu uma ajuda, a ela

Com pozinhos de perlimpimpim

 

de: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:40


216 - A GÔNDOLA E O GOLFINHO

por Fernando Ramos, em 23.11.16

 

 

A GÔNDOLA E O GOLFINHO


Minha gôndola vai no rio

A caminho de seu mar

Eu encontro um Golfinho

E com ele quero brincar

Na gôndola vou na proa

Com o golfinho a puxar

Ela vai na onda boa

Eu já nem vou a remar

Meu golfinho meu amigo

Não precisas de puxar mais

Porque na onda vou contigo

Direitinho ao cais

Adeus meu golfinho de ouro

Minha gôndola é uma caixa

Mas para mim é um tesouro

No teu mar de maré baixa

 

de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:01


215 - O MUNDO DE MÃE PRETA

por Fernando Ramos, em 23.11.16

 

 

O MUNDO DE MÃE PRETA


No bairro há uma lixeira

E também mortos e vivos

Para as crianças é uma brincadeira

Mas seus futuros são ali perdidos

 

Mãe preta vive lá

Com sua família também

A lixeira ali, é coisa má

P´ra todos e para a mãe

 

Ela vive muito triste

No meio daquele horror

Se é que Deus existe

Acabe com esse terror

 

Vive ali tanta gente

Que não tem bom futuro

Não há ninguém contente

Porque ali não é seguro

 

A lixeira do seu país

Deve ser a pior do mundo

Toda gente é infeliz

Naquele lugar nauseabundo

 

Aqui é tudo gente séria

Fala mãe preta no seu juízo

Ninguém termina esta miséria

Diz no seu belo sorriso

 

Isto não é terra de brancos

Disse numa boa gargalhada

Também não são assim tantos

Por isso não tem esta bicharada

 

As flores lá nem crescem

Porque dava um jardim imundo

O que por ali florescem

São as misérias do mundo

 

Mãe preta gostava de mudar

Se todos assim quiserem

Mas se nada se alterar

É porque os homens querem

 

Se fecharem a lixeira

A Deus, todos os dias louvo

Tratem mas é de ter maneira

De dar essa alegria ao povo

 

Mãe Preta ainda diz mais

Os mortos nada teem a perder

Mas as crianças e seus pais

Deus não os deixes aqui morrer

Vamos lá mundo louco

Acabar com esta miséria

De nós não façam mais pouco

Porque a pobreza é coisa séria

  

de: fernando ramos


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:18


214 - GRAÇA CONCEDIDA

por Fernando Ramos, em 23.11.16

 

 

GRAÇA CONCEDIDA

 

Ai, se me deito

Se me deito

Com o homem que amo

Agradecerei a Cristo Redentor

P´la graça concedida

 

Ai, se me deito

Se me deito

Com ele irei pecar

E por toda a vida

Ficarei agradecida

P´la graça concedida

 

Mas se me deito

Se me deito

Com o homem da minha vida

Foi porque Cristo Achou

Ser uma graça merecida

 

Mas se me deito

Se me deito

Com o homem do meu coração

Foi porque Cristo quis

Que me entregasse em perdição

 

Ó Cristo Redentor

Obrigado por tal sorte

Me terás sempre tua crente

Até à minha hora da morte

 

de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00


213 - CONSCIÊNCIA E REPUTAÇÃO

por Fernando Ramos, em 22.11.16

 

 

CONSCIÊNCIA E REPUTAÇÃO

 

A tua consciência

E a tua reputação

Não é uma ciência

Mas tua preocupação

 

Boa consciência se deve ter

Pró mundo não sentir dor

Nela, gente não vai morrer

E p´ra todos será melhor

 

A tua reputação

É algo que te preocupa

Se pensam bem de ti, ou não

Rege a tua conduta

 

Boa consciência e reputação

São conceitos unidos

Está na tua mão

Não andarem por aí perdidos

 

de: fernando ramos



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:52


212 - PELA ESTRADA FORA - RAP

por Fernando Ramos, em 22.11.16

 

 

 

 

PELA ESTRADA FORA - RAP


Cá vou eu p´la estrada fora

no meu velho carrinho

com a minha namorada

confortando-me de carinho

 

Ela diz que me adora...

mas não sei se é mentirosa

Quero lá saber disso

Da minha flor graciosa

 

É bom ir p´la estrada

levando a namorada ao lado

Ela engana-se nas mudanças

e brinca no bicho danado

 

Aí vamos nós na velha estrada

com muita pressa de chegar

Com ela irei para a cama

p´ra de amor aconchegar

 

Meu Deus, a miúda é boa

e é boa todos os dias

conhecia em Lisboa

num baile que até tu ias

 

Vou tomar uma atitude

mas o carro tenho de encostar

Ela p´ra mim vai mermurando

num bem bom de seu amar

 

Não há tempo de parar

porque ela a mim se agarra

Óh meu Deus estou perdido

na mudança se foi enganar


Já não sei se vou travar

ou se grito sem sentido

Ouve lá minha menina

pára lá mas é com isso

ainda tenho um acidente

se não largas o toutiço

 

E nesta velocidade feia

nada a está a ralar

porque vai de mão cheia

e eu louco para a papar

Bem.., não há nada a fazer

deixa-me ir mas é assim

ela está toda entretida

e sempre me entretém a mim

 

Mas na bomba tive de parar

não é que vá abastecer

é que o raio da miúda

Já me pôs foi a ferver

Ela faz o que eu mais gosto

e também é, ao gosto dela

assim é que está bem

p´ra mim e p´ra ela


É bom ir p´la estrada

levando a namorada ao lado

ela engana-se nas mudanças

e brinca no bicho danado

 

Continuamos pela estrada

Já muito longe de Lisboa

ela diz que me quer agora

e até acho uma ideia boa

 

Uma miúda assim

todos nós devíamos de ter

quando não estamos à espera

elas, o menino vão querer

 

Ela não está nada mansa

quer novamente festa

paro o carro, senão ele dança

e depois é ela, que me detesta

 

E lá teve de ser

amamo-nos mesmo ali

a miúda, eu a comer

com os outros acenarem para mim

 

É bom ir p´la estrada

levando a namorada ao lado

ela engana-se nas mudanças

e brinca no bicho danado

 

Não sei onde isto vai acabar

duas vezes tive de parar

se ela continua assim

ao destino tarde vou chegar

Eu quero lá saber disso

esta é a viagem que sempre quiz

ela vai estando no reboliço

e eu também muito feliz

 

E lá volta ela à carga

uns quilómetros à frente

ela a mim não me larga

e eu fico tão contente

 

Isto de amar é muito bom

quando é descarada

mesmo que não seja de bom tom

Nós queremos é marmelada

 

É bom ir p´la estrada

levando a namorada ao lado

ela engana-se nas mudanças

e brinca no bicho danado

 

de: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:09


211 - PRIMEIRA VEZ

por Fernando Ramos, em 22.11.16

 

 

PRIMEIRA VEZ


Eu me lembro

quando ouvi teu nome

no nosso primeiro dia

quando teu olhar

se cruzou com o meu

p'la primeira vez

 

Eu me lembro

quando minhas mãos

acariciaram teu rosto

e quando senti o doce sabor

de teus lábios

vendo o brilho de teus olhos

p'la primeira vez

 

Eu me lembro

sempre da primeira vez

E uma recordação

que não se vai esfumando no tempo

também das nossas primeiras vezes

Daqueles vezes que nos sorriamos

e sabíamos o que nosso coração ansiava

 

Eu me lembro

sempre da primeira vez

que me amparaste quando precisei
Agora, apenas resiste a recordação

das primeiras vezes

mais nada...

Deus quis que partisses

Acabou as primeiras vezes

meu amor

Mas fica a derradeira saudade 

da primeira vez que te vi

 

de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:15


210 - FADOS E GUITARRADAS COM AMOR

por Fernando Ramos, em 21.11.16

210 (1) (1).jpg

 

  • 210 - FADOS E GUITARRADAS COM AMOR

  • As castiças casas de fados
  • Trazem paz à alma humana
  • Lá, se canta a vida e seus pecados
  • E taições de quem engana   
  •  
  • Ouvir uma boa guitarra
  • Nosso coração pula feliz
  • Ela é tocada com garra
  • Foi Deus que ensinou e quis
  •  
  • E não há fados sem touros
  • Como não há touros sem fados
  • Uns, e outros já vem dos mouros
  • P´ra bem dos nossos pecados
  •  
  • Depois de uma boa tourada
  • Fados de bravura se devem ouvir
  • Numa tasca engraçada
  • Entre copos e sardinhas a sair
  •  
  • E se caldo verde comer
  • Que lhe faça bom proveito
  • Se uma guitarrada acontecer
  • Vai sentir um momento perfeito
  •  
  • Ouvir guitarras Portuguesas
  • É muito bonito, podem querer
  • Com todos sentados às mesas
  • Fado certamente vai acontecer
  •  
  • O fado entra na alma
  • Em belos poemas de enternecer 
  • Cantado na voz doce e calma
  • Dos fadistas, até ao amanhecer     
  •  
  • Fadistas e Guitarristas
  • Trabalham nas casas de fado
  • São pessoas muito bem vistas
  • Pelos que lá tem entrado
  •  
  • Tocam e cantam com paixão
  • Fados com muito fervor
  • Vêem todos do coração
  • Carregadinhos de palavras de amor
  •  
  • Vamos todos ouvir e ver
  • O que eles gostam de fazer
  • Uns tocam, outros cantam de prazer
  • Lindas poesias de enternecer
  •  
  • O fado é a nossa tradição
  • O povo bem disso
  • Ele se mistura na canção
  • E os fadistas gostam disso
  •  
  • de: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:12


209 - SER MINISTRO

por Fernando Ramos, em 21.11.16

 

 

SER MINISTRO

 

Isto de ser Ministro

não é fácil como se julga

Por vezes é bem sinistro

quando a economia não ajuda

 

Vem uns, dizem assim:

Temos de cortar na despesa

E a oposição diz para aí

O Ministro tem a certeza?

 

Vá-se lá pregar

numa Freguesia destas

Quando se está a tentar

limar algumas arestas

 

E temos outros Ministérios

com imensos problemas

Pois ali não há mistérios

são orçamentos sem esquemas

 

Da Justiça à Economia

e outros ainda mais

falta dinheiro e ninguém fia

a orçamentos reais

 

Ser Ministro, não quero ser

E para já, até desisto

vão para lá vocês ver

Se tomam bem conta disto

 

de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:15


208 - DESTRUIÇÃO

por Fernando Ramos, em 21.11.16

 

 

DESTRUIÇÃO

 

Bombistas para a forca já...

gritam os povos e com razão

Tais terroristas mais não fazem

que oferecerem ao mundo, destruição

 

São pessoas sem coração

que levam ódio a tudo

Não sabem viver em comunhão

só querem destruir o mundo

 

Com eles a morte anda perto

e é difícil combater

Não se pode viver com esta gente

e muita atenção, se tem de ter

 

Julgam-se senhores da razão

mas isso não é verdade

Podem ter os seus motivos

mas não é a luta p´la liberdade

 

Senhores da guerra

acabem com este frenesi

Estão a destruir a terra

e que também será o vosso fim

 

de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:32


207 - AS CORTINAS DA JANELA

por Fernando Ramos, em 21.11.16

 

 

AS CORTINAS DA JANELA


As cortinas da minha janela

São de xita e não tem renda

Elas me protegem do sol

Que de manhã chega como prenda

 

São alegres e muito coloridas

Com flores da primavera

Devem ser das mais floridas

Diz a minha vizinha Vera

 

A Vera é muito amorosa

Porque das cortinas gosta

Ela comigo até fez uma aposta

Como a xita veio da Costa

 

De onde ela veio, não sei

Se da Costa ou de Lisboa

Mas na xita verifiquei

Que era de qualidade boa

 

Tenho umas lindas cortinas

Que na janela ficam bem

Tantos gostam muito delas

E isso eu também já sei


Na janela vou ficar

Com as cortinas lá postas

Toda  gente as vai olhar

E pedirem-me umas amostras

 

De: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:19


206 - FLOR DO MONTE

por Fernando Ramos, em 20.11.16

 

 

FLOR DO MONTE


Minha flor selvagem

que cresces no cimo do monte

Um dia farei aí uma paragem

e contigo contemplarei o horizonte


Tuas pétalas viçosas

de cheiros sem fim

Algumas parecem rosas

que nascem por aí

 

Minha flor do monte

és a alegria de meu olhar

Ainda te levarei à fonte

para na água te banhar


E meu amor irás ver

e quem é, tu nem suspeitas

Seu coração embriagado irá bater

pelo perfume que deitas

 

de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:36


205 - AMANTES

por Fernando Ramos, em 20.11.16

 

 

AMANTES

 

Se os verdadeiros amantes são

os que partilham acto de amar

Talvez não seja eu, por quem tu

decerto um dia irás chorar

 

E tu meu amor sabes bem

porque isso vai acontecer

Estás sempre tão ausente

no meu triste amanhecer

 

Nós há muito vivemos

uma bonita secreta sedução

Hoje, está bem longe

e já não tem resolução

 

Nós deixámos de ser amantes

de prometida paixão eterna

Fostes tu que quiseste

que terminasse sem alguma espera

 

Dessa loucura de amar

Já não sobram emoções

Agora vai apenas restar

no meu desejo, breves recordações

 

de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:05


204 - A MINHA AMIGA FADISTA

por Fernando Ramos, em 20.11.16

 

 

A MINHA AMIGA FADISTA


Minha amiga cantarolava

poesia de fantasia

Ela que tanto amava

cantigas de muita alegria

 

Nos becos de Lisboa

era por onde andava

Passava p´las vielas na boa

e alguém por ela chamava

 

As janelas da Madragoa

se abriam de par em par

E de lá as pessoas pediam

um bonito fado fosse cantar

 

Policias e sopeiras

ouviam-na com emoção

Varinas e lavadeiras

choravam sem razão

 

Quando minha amiga cantava

na tasca de noites de lua cheia

A sardinha assada saltava

na brasa, pela hora da ceia


E naquelas noites de trova

muitos sorrisos havia

Por causa do vinho da uva nova

que o Zé Taberneiro vendia


E quando a manhã chegava

então tudo terminava

O pregão do carapau voltava

e a tasca do taberneiro fechava

 

de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:12


203 - CONVERSA PUXA CONVERSA

por Fernando Ramos, em 19.11.16

 

 

CONVERSA PUXA CONVERSA


P´la tasca hoje passei

Para beber um bom vinho

Estava a Céu que já namorei

E com ela fui p´ra um cantinho


Da vida nós falámos

E de copos também

Por amigos perguntámos

E ela, p´la minha mãe

 

E conversa, puxa conversa

Que mais vinho bebemos

Rimo-nos da amiga Vanessa

E por ela, pastelinhos comemos


Tão bom era aquele ambiente

Com a minha antiga namorada

A noite também ia quente

Que os copos terminaram de madrugada

 

Aos tombos lá fomos embora

E dela já tenho saudades

Sinto que ainda me adora

Porque disse-me umas verdades

 

Agora estou a pensar

Em convida-la a tasca ir

Para a voltar, a namorar

E quem sabe, voltarmos a curtir


E já nenhum dia passa

Que não esteja com a Céu

Hoje bebemos copos em casa

Porque nosso amor se fortaleceu

 

de: Fernando Ramos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:19


202 RECORDAÇÃO TRISTE

por Fernando Ramos, em 18.11.16

 

 

RECORDAÇÃO TRISTE


Recordações tuas vou tendo

na cor negra das noites

espreitando as estrelas

Esperando ansiosamente

teu regresso na saudade derradeira  

Em sonhos vejo-te montada

num cavalo alado

com teus longos cabelos

beijando a face bela do vento

vindo em minha direcção

num trote estonteante

que perturba as ternas fadigas de amor    

fazendo parar minha respiração

Difícil está esta espera anciosa    

por uma noite adormecer em teu regaço

Mas não passam de sonhos

Farei um pacto com Deus

envolvendo-me nos meus silencios  

Esquecendo-te por não poder passar mais

a minha vida nas quenturas da noite

sempre ansioso que voltes

e permanentemente com lembranças

dos nossos tímidos jogos de sedução

Meus dias passam ficando tristes e vazios

nas vermelhas passadeiras da ilusão  

De que serve esperar na solidão

e nas recordações sustentada da tristeza 

 

de: fernando ramos

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:35


201 - A GAIVOTA E A VARINA

por Fernando Ramos, em 18.11.16

 

 

A GAIVOTA E A VARINA

 

Uma gaivota p´lo tejo, voa

Num belo dia de primavera

Atravessa a bonita Lisboa

E a peixeira por ela espera

 

Nesta cidade Alfacinha

Há uma Varina muito airosa

No pregão é a rainha

E também a mais charmosa

 

A gaivota depressa quer chegar

Porque traz um recadinho

Vem da Nau que vai acostar

P´ra varina, tráz o maridinho

 

Chega a Nau, e a Caravela

E o amor da varina peixeira

Também, o ouro e a canela

P'ra gente rica que queira

 

O povo pode não ter dinheiro

P'ra estas maravilhas comprar

Mas ele está sempre primeiro

Quando a Nau ao Tejo atracar

 

E a peixeira já tem seu amor

E com ele vai amar na boa

Parte a gaivota sem pudor

P'lo céu azul da linda Lisboa

 

de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:03


200 - ADEUS MAR

por Fernando Ramos, em 17.11.16

 

 

ADEUS MAR


Sou um marinheiro com barco

Que navega em águas profundas

Do cais um dia parto

Procurando areias nada imundas

 

No mar desenharei estrelas quadradas

O lindo rosto da minha paixão

Ela, é o mel das manhãs douradas

Que aconchega o tonto coração


E ao Tejo vou chegar

Com pressa de beijar minha amada

Que por mim vai esperar

Como escreveu em carta fechada


Meu barco vou deixar

Nas aguas do Tejo, atracado

Com meu amor vou casar

Como já tinha planeado

 

Passo a marinheiro sem barco

Porque pró mar não vou voltar

Não serei marinheiro fraco

Só que... minha vida vai mudar

 

Adeus mares sem fim

P´ra ti não voltarei mais

Tenho meu amor ao pé de mim

Envolvendo-me de afectos e ais

 

Numa parede branca como papel

Registarei esta nova jornada

E esculpirei a golpes de cinzel

Meu barco afundado em nada

 

de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:19


199 - MINHA ALDEIA MINHA CIDADE

por Fernando Ramos, em 17.11.16

 

 

MINHA ALDEIA MINHA CIDADE


Eu não sou da aldeia

Nasci na grande cidade

Mas era optima ideia

Ter passado lá, a mocidade

 

Há aldeias muito bonitas

Como há belas cidades

Todas são bem catitas

Em diversas localidades

 

O povo, nas suas aldeias

Realiza festas no verão

Come-se lá boas ceias

Em Agosto ao serão

 

E toca a banda local

Musicas p'ra sonhar

Depois pelo Natal

Vão todos, o festejar

 

Nossa aldeia, nosso amor

Nossa cidade, nossa paixão

Convosco vive Nosso Senhor

Ambas trago no coração

 

de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:43


198 - VOLTA DONZELA

por Fernando Ramos, em 17.11.16

 

 

VOLTA DONZELA


Adeus doce Donzela

Que me deixas amargurado

Partes para a ilha bela

E fico só com meu fado

Que para ti o cantarei

O resto da minha vida

Mas por ele não derramarei

Lágrimas por tua partida

 

Volta Donzela dessa ilha

Os poetas por ti chamam

Mais poemas não se pertilha

Porque só a ti, tanto amam

E, enquanto não regressares

Mais não vão escrever

É melhor depressa voltares

Para lhes trazeres seu prazer

 

E tu voltaste Donzela

Para os poetas do amor

Ao fado fizeram uma quadra bela

Que eu canto com muito fervor

 

Donzela minha paixão

Daqui não sais mais

Os poetas têm te no coração

E eu canto-te em fados fatais


de: fenando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:37


197 - CÃO ABANDONADO

por Fernando Ramos, em 16.11.16

 

 

CÃO ABANDONADO

 

Sou um cão abandonado

que por azar nem sou rafeiro

O que vai ser de mim coitado

nas limpidas chuvas de Fevereiro

 

Meu dono não teve pena

da minha velhice de vida

Deixou-me na rua pequena

minha alegria por lá vai perdida

 

Junto-me a outros abandonados

que tão infelizes são

Somos cães desgraçados

como os que não têm pão

 

Nossos donos não têm escrúplos

por esta atitude tão indigna

São imensamente estúpidos

para nossa triste sina

 

Não tenham pena deles

dos coveiros da nossa desgraça

Façam-lhes o mesmo a eles

e vão ver se acham graça

 

de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:27


196 - TEMPO DE CRESCER

por Fernando Ramos, em 16.11.16

 

 

TEMPO DE CRESCER

 

É tempo de crescer

É tempo de viver

Crescer traz o saber

E viver o amanhecer

 

É tempo de crescer

Junto de quem amamos

De lá vem o nosso saber

E, a alegria que choramos

 

É tempo de viver

Com toda a discrição

Na vida vamos querer

Honra, justiça e isenção

 

Crescer traz tanto saber

E muitas desilusões

Entre elas aprendemos

A evitar as ilusões

 

É tempo de viver

É tempo de crescer

Viver traz o amanhecer

E crescer traz o saber

 

de: fernando ramos


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:25


195 - TOCO A MINHA GUITARRA

por Fernando Ramos, em 16.11.16

 

 

TOCO A MINHA GUITARRA

 

Na Guitarra, trovas toco

No calor da noitinha

Meus dedos, nela coloco

Uma arte que é só minha

 

As notas que por ela deslizam

São poemas que alguém escreveu

Eles são belos e não pisam

Um amor que tarde aconteceu


Minha Guitarra que dás encanto

A quem ouve os teus trinados

Toco notas que dizem tanto

A tantos amores desencontrados

 

Toco o que me vai na alma

Belos fados com muito fervor

E por dentro da noite calma

Quem os ouve é meu amor

 

Na Guitarra que é minha vida

Nas cordas deixo o meu saber

Nelas toco na noite linda

P´ra numa voz, o fado acontecer

 

de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:43


194 - AVES DE RAPINA

por Fernando Ramos, em 15.11.16

 

 

AVES DE RAPINA


Coitadas de algumas aves

Que para tudo servem

De certeza que bem sabes

Que à honestidade nada devem


Elas roubam o que não deviam

O que a tantos custou a ganhar

E não nos digam que não sabiam

Que dos bens se deviam apropriar


Há por aí políticos corruptos

Que se parecem com elas

Roubam-nos os parcos frutos

Deixando-nos sequelas


Minha pobre ave de rapina

Existem alguns como tu

E para nossa triste sina

Diáriamente surge mais um

 

Eles rapinam à vontade

O que não lhes pertence

Digam lá com sinceridade

Se não é correcto

O que deles se pense

 

Aves de rapina vão embora

Deste país de bananas

Nós achamos que está na hora

De acabar com tais sacanas

 

Roubam o que não lhes é devido

E não têm vergonha na cara

Nenhum deles é punido

Nem a sua ambição pára

 

Pobre povo que eleges más aves

Em eleições presentes e futuras

Eles roubam o que bem sabes

Que nos causa enormes torturas

 

Com eles devemos correr

Dos lugares importantes

Não mais vamos eleger

Estes tristes meliantes


fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)


193 - EU GRITO

por Fernando Ramos, em 15.11.16

 

 

EU GRITO

 

Grito

Ao meu país porque tem de acordar

 

Grito

Às injustiças que não há meio de acabar

 

Grito

Aos políticos p´ra verdade terem de falar

 

Grito

Aos corruptos que ao povo andam a roubar

 

Grito

À fome que tantas pessoas está a matar

 

Grito

A quem as crianças anda a mal tratar

 

Grito

Aqueles que tem medo deste meu gritar

 

de: Fernando Ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:36


192 - OS DEUSES NÃO ESTÃO LOUCOS

por Fernando Ramos, em 15.11.16

   

 

OS DEUSES NÃO ESTÃO LOUCOS


Vão saber a novidade

Das terras dos Deuses do amor

Encontram-se dois artistas de saudade

Um é fadista, o outro, um poeta senhor

 

Amália, a nossa fadista

E Camões o grande escritor

Imaginem o encontro da artista

Com o poeta do amor

 

De Camões, poesia Amália cantava

E a nós nos deslumbrava

Ele, era Violante que amava

E o povo, por seus poemas chorava

 

Fez-se no céu uma festa celestial

Caldo verde, e jaquinzinhos se comera

Bebeu-se vinho tinto espiritual

Numa tasca onde S. Pedro os recebera

 

Falaram de Portugal

Das tabuinhas, e das Caravelas

Foram lembranças sem igual

Talhando poemas à luz das velas

 

Bonita aquela festa

Que de cultura se tratou

Amália cantou Camões

E ele, por ela se apaixonou

 

Coitada da formosa Violante

Trocada por Amália a fadista

Camões disse-lhe num instante

Que era só, paixão de artista

 

Lindos poemas Amália cantou

Lá na tasca do céu de Deus

S. Pedro também vibrou

Da poesia que Camões escreveu

 

Os Deuses não estão loucos

Diz o povo na sua mestria

Camões e Amália não são poucos

Para nos oferecerem sua sabedoria

 

E os dois juntinhos lá estão

Muito bem acompanhados

Brindando versos perfeitos ao serão

Cantando-se belos fados

 

Ó Deuses do infinito ausente

Guardai ditoso tesouro

O povo os vai amar sempre

Nos seus corações de ouro

 

De: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:48


191 - UM CAFÉ NO MARTINICA

por Fernando Ramos, em 15.11.16

 

 

UM CAFÉ NO MARTINICA

 

A caminho de Santa Eulália

Pelo Martinica passo

Bebo café que não é da Austrália

No seu simpático terraço

 

Ao Martinica às vezes vou

Beber um delicioso café

Porque lá é onde estou

Mais próximo da maré

 

As marés são todos os dias

Nas praias de Albufeira

No Martinica não conseguias

Vê-las de qualquer maneira

 

Mas a praia fica bem perto

Talvez a um quilómetro

Para o ano volto de certo

Quando subir o termómetro

 

Nas férias, ao Martinica vou

Porque é próximo da praia

Se fores lá agora, eu não estou

Talvez ande por Santa Eulália

 

De: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:47


190 - AÇORES

por Fernando Ramos, em 14.11.16

 

AÇORES


Açores, fértil terra encantada

Nove ilhas tens tu

De belas flores perfumadas

Que não há em lado algum

 


Do Corvo a Santa Maria, vais

Encontrar mistérios e pureza

Por todas as ilhas se deitam ais

De deslumbramento e beleza


Tu és Portugal, Açores

E vives em nosso coração

Tens ilhas multicores

Que Deus fez com emoção

 

És um paraíso natural

De gentes simples e amigas

Todos amam ser Portugal

Dizem os Açorianos nas cantigas

 

Ilhas de paz, elas são

E de lagos de bons ares

Todas tem a protecção

Do Santo Cristo dos Milagres


Furnas e Lagoas, tens

Pró povo são suas vaidades

Qual a mais linda não sei bem

Mas entre elas, as das Sete Cidades

 

Nós, deste lado do Atlântico

Prós Açores queremos partir

Nem que seja por ser Romântico

Como as ilhas nos fazem sentir


de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:47


189 - SOBE PETRÓLEO, SOBE

por Fernando Ramos, em 14.11.16

 

 

SOBE PETRÓLEO, SOBE


Sobe petróleo, sobe

convencido que matas o mundo

Para onde vais?

Tua subida é galopante

e todos nós perdemos

Não corras petróleo, pára de subir

Assim, levas-nos ao fundo

e tu não vais ao fundo

mas não vais ter futuro

 

Sobe petróleo, sobe

Quanto mais rápido subires

mais próximo estás do teu fim

Nós ficamos cá no fundo, é certo

mas um dia, dele iremos sair

Tu irás desaparecer

e não vamos chorar por ti

As nossas lágrimas

são mais importantes que tu

 

Sobe petróleo, sobe

Quando chegares o topo

contempla o teu final

Depois de ti, e para ti

nada vai restar

mas nós ficamos para te consolar

Não por amor a ti

porque esse é demasiado valioso

mas tu não
Tu só serves, para te usarmos

e para nós o amor não se usa

ele é a nossa respiração

a nossa tolerância, a nossa solidariedade

Tu petróleo, não és nada disso

não és assim tão importante

para a nossa vida como julgas

 

de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:44


188 - TUDO A MUDAR OU NÃO

por Fernando Ramos, em 14.11.16

 

 

TUDO A MUDAR OU NÃO


Será que mudaram os tempos?

O mundo poderá ser de confiança?

Nessa é bem melhor não acreditar

Basta ver como ele é composto

Nada de novidades por este Condado

Nada de paz, nem tolerância

Tudo velho, tudo na mesma

Guerras e desgraças todos os dias

Não sei para onde caminhas mundo

 

Tanta fome tanta insugurança tanto dó

Que por aí vais provocando

Grita-se por mudança, mas ela não vem

E o mundo afinal, não é de confiança!

 

Dizem que o mundo muda todos os dias

Mas se é de confiança, isso não é certo

Teremos de fazer um mundo de confiança já!

Nossos filhos tem de refletir e sentir

Que o mundo gira, e só pode girar

Na base do bem e da confiança

 

de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:17


187 - A RAINHA E O VENTO SUÃO

por Fernando Ramos, em 13.11.16

 

 

A RAINHA E O VENTO SUÃO

 

Alegrai-vos, povo alegrai-vos

A voz da rainha voltou
Já faz alguns anos
Que o vento Suão a levou


Partiu, e não mais regressou
A nossa fadista maior
A guitarra se revoltou
Do seu triste destino menor


O povo chora na rua
Esta sua longa ausência
Mas nos corações contínua
Oferendo-nos fados, sua sentença

 

Um dia p'la rainha se chorou
Num momento de muita emoção
Quando o vento a levou
Ficou apenas a recordação


Perguntem ao vento Suão
Se no céu a vão ver cantar
Porque os Anjos que lá estão
Nas guitarras a irão acompanhar

 

Ela é a nossa maior Diva
Dizem os que cá estão
O vento a levou para lá
Mas sua apreciada voz, não!

 

Alegrai-vos, povo alegrai-vos
Que a rainha está presente
Ela não foi embora
Seu fado nos deixa contente

 

de: fernando ramos




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:30


186 - TEU OLHAR EM MIM

por Fernando Ramos, em 13.11.16

 

 

 

TEU OLHAR EM MIM


Um brilhozinho estou vendo

Nesse olhar muito guloso

Ou ele me está querendo

Ou é um verdadeiro mentiroso


Me disse um passarinho

Que teu olhar me sorri

Ele vai em meu caminho

Procurando por mim


Que bonito teu olhar

Que eu estou a ver agora

Um canário te vai contar

Como o meu também te adora


Nossos olhares se vão cruzar

Qualquer dia ao amanhecer

Eles, irão sempre se amar

E as avezinhas vão ver

 

de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:06


185 - A NOSSA SELECÇÃO

por Fernando Ramos, em 13.11.16

 

 

A NOSSA SELECÇÃO


Joga a nossa selecção

Com uma equipa forte e feroz

Esta é uma boa razão

Pró apoio de todos nós


Vamos-nos emocionar por ela

Com todo o nosso fervor

Os jogadores amam jogar nela

Por isso lhes oferecem amor


Força rapazes do nosso país

Gritamos nós, até ficarmos roucos

Ganhem nem que seja por um triz

E ficaremos todos loucos


As cores da nossa selecção

São as mais lindas do mundo

Os Jogadores as sentem no coração

E por elas, um amor profundo

 

Vamos lá p´ra a vitória

Com os golos que marcarem

Levem o país à glória

P’ra milhões de alegria chorarem

 

Em qualquer estádio que se jogar

Seremos uma Nação Valente sem igual

P’la selecção, iremos bem gritar

Muitos vivas a PORTUGAL

 

De: fernando ramos


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:27


184 - UM FUNCIONÁRIO PÚBLICO

por Fernando Ramos, em 12.11.16

 

 

UM FUNCIONÁRIO PÚBLICO


Vou contar um segredo

Que para muitos parece mal

Há p´ra aí senhores do governo

Que nos andam a tratar mal


Sou funcionário público

Do meu querido país

Pensam que é um trabalho lúdico

Mas foi a pior escolha que fiz


Sempre trabalhei com gosto

E com muita honra até

E agora para meu desgosto

Parece que é crime, mas não é

 

Estou lá, há muitos anos

E agora andam aí uns senhores

Que aos meus direitos causam danos

Como se eles fossem uns horrores

 

Digam lá políticos espertos

Que mal é que nós fizemos

Para nos tirarem os direitos

Quando eles eram certos

 

Não se faz o que andam a fazer

E que tanto mal nos estão a causar

Nas próximas eleições vamos ver

Depois digam que tiveram azar

 

Ser funcionário público antigo

Agora parece que é muito mau

E por isso temos como castigo

Os políticos a darem-nos tau tau

 

E estão aí uns doutores

com muita sabedoria

Dizem, sermos nós os causadores

De eles terem feito, só porcaria

 

Os senhores governantes poderosos

Que acabam com direitos adquiridos

Não passam de políticos medrosos

Porque os seus não são mexidos


São uns espertos estes farsantes

Julgando-se com muita piada

Não passam de maus governantes

P´ra azar da nossa vida desgraçada

 

De: fernando ramos




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:34


183 - IDA AO JARDIM ZOOLÓGICO

por Fernando Ramos, em 12.11.16

 

 

IDA AO JARDIM ZOOLÓGICO


Fui ao Jardim Zoológico

os nossos amigos ver

Eu sei que não seria lógico

se dai não viesse prazer


Encontrei lá o Rei Leão

distraido a descansar

Os Gorilas tão feios são

e as Zebrinhas estavam a mamar

 

Pelo Zoo, grande volta dei

e tantos animais eu vi

Só à noite é que de lá voltei

quando das Araras me despedi


Foi uma grande festa

com o Macaco Aranha

ele sabe que não foi desta

que lhe percebi a manha

 

Os Camelos também vi

e pouca água tinham bebido

Mas quem estava por ali

era um Tucano que andava fugido


Passei junto do Elefante

e também pela Girafa

A ele, não o achei elegante

mas ela estava com muita graça

 

Que belo dia eu passei lá

e o recomendo a todos do coração

Amigos daqueles melhores não há

vão ao Zoo ver se não tenho razão


de: fernando ramos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:08


1078 - NOSSA PAZ

por Fernando Ramos, em 12.11.16

 

1078.jpg

 

1078 - NOSSA PAZ

 

A vida, é um dom de Deus

Mas veloz e passageira

E por vezes sofremos demais

Pelos nossos erros 

E a nossa vida não merece

Tal sofrimento

Porque virá o dia

Que tudo termina

Queiramos nós, ou não

O importante é viver em paz

Connosco e com os outros

E havendo sempre alguem

Que fica para nos ajudar 

Quando todos se afastam

P`ra que a chama da coragem

Combata o fundo dos medos

Os nossos medos

Que vão germinando na vida

Deixando crescer a mágoa

Que plantamos no coração,

E nos esquecemos de a retirar

Bem como o arrependimento que por vezes

Habita em nós, tempo de mais 

Criando uma muralha no caminho da Paz

A nossa Paz

 

De: Fernando Ramos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:35


182 - JOANA VAI PARA A ESCOLA

por Fernando Ramos, em 12.11.16

 

 

JOANA VAI PARA ESCOLA


Joana vai para escola,

alegre e bem segura

Leva dentro da sacola

seus livros de leitura

 

Vai com gosto e contente

porque lhe dá muito prazer

Ela tem em sua mente

trazer de lá muito saber


Muito gosta de estudar

seja de noite ou de dia

Seus livros vai desfolhar

com cuidado e alegria


Joana quer saber muito

para um bom final chegar

É que tem como intuito

seu futuro organizar

 

Lá deixou a secundária

e para a faculdade passou

Seus estudos são da área

p´ra que ela se organizou

 

De: fernando ramos

- para a minha filha com um beijinho de muito amor

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:46


181 - ABANDONO

por Fernando Ramos, em 11.11.16

  

 

ABANDONO


Quem é abandonado,

foi traido por acontecer

Terá começar de novo

sendo livre pró fazer 


É difícill ser idoso e só,

p´las ruas de qualquer cidade

Vê-los andar por aí dá dó,

a isso não se chama liberdade

 

Abandonados, caminhando vão

tratados como trapos velhos

Eles apenas pedem pão,

amor, e alguns conselhos

 

Na rua, ninguém liga

ao seu passo brando e cansado

Aos idosos ninguém lhes diga,

que são um pesado fardo

 

Devemos dar-lhes muito amor

e também alguns conselhos

Se um dia tivermos dor

é por sermos nós os velhos

 

de: fernando ramos

 

 

 

 

ABANDONO


Quem é abandonado,

se um dia acontecer

Terá começar de novo

sendo livre sem o querer


É difícill ser idoso e só,

nas ruas de qualquer cidade

Vê-los andar por aí dá dó,

e, a isso não se chama liberdade

 

Abandonados, os idosos estão

e tratados como trapos velhos

Eles apenas pedem pão,

amor e alguns conselhos

 

Na rua, ninguém liga

ao seu passo brando e cansado

Aos idosos ninguém lhes diga,

que são um pesado fardo

 

Devemos dar-lhes muito amor

e também alguns conselhos

Se um dia tivermos dor

aí, seremos nós os velhos

 

de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:42


180 - PASTEIS DE NATA

por Fernando Ramos, em 11.11.16

 

PASTEIS DE NATA

 

Hoje, pastéis de nata comprei

de mil iguarias e magia

Comi-os, e deles me enfartei

com enorme alegria

 

Adoro pastéis de nata,

certamente como toda a gente

O seu doce é que nos mata

p´lo açúcar que tem presente

 

Eles se vendem em todos os lados,

e dizem que no estrangeiro também

Como-os devagar, e aos bocados

porque assim me sabem bem

 

Meu pastel de nata saboroso

ao olhar para ti fico sem ar

É que ele é tão gostoso

e só me faz engordar

 

Paciência, eu quero é me deliciar

e a linha pouco importa

Mais pastéis eu vou comprar

p´ra barriga que bem os suporta

 

Um de canela o vou encher

para ficar mais gostoso

Vou depressa o comer

porque sou muito guloso

 

Pastéis de nata bons,

vendem-se muitos em Belém

Numa casa de antigos bons tons

Que os fabrica muito bem

 

De: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:16


179 - LUMIAR E AMEIXOEIRA SÃO LISBOA

por Fernando Ramos, em 11.11.16

 

 

LUMIAR E AMEIXOEIRA SÃO LISBOA


Nesta Lisboa calma

à gente que vive feliz

No Lumiar,e na Ameixoeira da alta

como para aí se diz

São bairros que muito falta

mas até tem um chafariz

 

Todos que cá moram

gostam muito de cá estar

Vem muita gente de fora

os nossos jardins visitar

E noutros tempos de outrora

outras gentes cá vinham passear

 

A alta de Lisboa,

nasce ali e aqui

Lumiar, Ameixoeira,

por muito que doa,

vão se desenvolver por ali

Senhores que andam à toa,

deixem os bairros crescer por si

 

São dois locais de liberdade

prós seus moradores

São bairros de antiguidade,

com bonitos miradores

E Museus, da cidade

prós mais observadores

 

Lumiar e Ameixoeira,

unidos eles vão

Tem lá gente à maneira,

nas bomitas Marchas de verão

 

Um faz parte do outro,

e estão em alta, e na boa

De lá se vê o aeroporto

da nossa querida Lisboa

 

de: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:52


178 - UMA GRANDE BEBEDEIRA

por Fernando Ramos, em 10.11.16

178 (1) (1).jpg

 

178 - UMA GRANDE BEBEDEIRA

Apanhei uma bebedeira

Que não foi brincadeira

Foi de caixão à cova

E ainda não a curei

Quero ver como sairei

Desta situação nova

Nunca tinha bebido tanto

Para meu grande espanto

Bebedeiras destas nunca mais

Não quero voltar a beber

Disso podem vocês querer

Para mim, esta já foi demais

Bem gostava de saber

Como nela, me fui meter

Comigo nunca tinha acontecido

Bebedeiras vão embora,

Da minha vida para fora,

Esta jamais devia ter sucedido

Bebedeiras não é para mim

Porque acho que sim

Outra destas nem me quero lembrar

Com ela eu vou aprender

Vocês podem bem querer

Que comigo, ela não fica a ganhar

Podiam fazer a fineza,

de quando beber à mesa

Darem-me uma sova

Se outra bebedeira apanhar

Porque não quero ganhar

Mais uma de caixão à cova

 

De: fernando ramos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:38


177 - NOTÍCIAS DO JORNAL

por Fernando Ramos, em 10.11.16

 

 

NOTÍCIAS DO JORNAL


O jornal, hoje fui comprar

e as notícias são um horror

O mundo não está a ganhar

A maldita guerra do terror 


Más notícias ele traz

do nosso mundo civilizado

A paz nunca se faz

p´ra nosso triste fado


As pessoas não se entendem

por esses países fora

Alguns deles defendem,

p´ra paz comecar agora


Mas no jornal se escreve

que está tudo complicado

A paz para uns não serve

e para outros está demorado


Outra notícia traz o jornal

é que o teu clube perdeu

Mas isso já é normal,

quem ganha é sempre o meu


E outra ainda vem lá

e que mal ela soa

Os carros que andam por cá,

continuam poluindo na boa


E muitas mais notícias traz

este papel de jornal

Umas boas, outras más

o resto é tudo normal


Todos, o jornal vamos ler

para se andar informado

Compro este para saber

tu compras outro mais descarado


E é sempre todos os dias

que notícias o jornal traz  

Boas era o que tu querias

mas quase sempre, elas são más    


de: fernando ramos




 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:33


176 - PRAIA DE SANTA EULÁLIA

por Fernando Ramos, em 10.11.16

  

 

 

PRAIA SANTA EULÁLIA


Eulália é nome de Santa

E uma praia que nos fascina

Lá a cigarra à noite canta

Num verão que não termina


Santa Eulália praia de amores

E de alguns banhos também

São perfeitos os seus odores

Num mar que se está bem


Em Albufeira ela fica

Para os lados do Algarve

É uma terra de gente bonita

Como tu, e mais alguém sabe


Nesta praia de bom viver

Há um sol muito brilhante

Nela todos querem saber

Quando a maré vai vazante


Os banhos assim são melhores

Num verão de muito calor

Os mergulhos não são piores

Vão lá ver por favor              


A Santa Eulália tantos vão

Numa enorme alegria

Mulheres lindas também lá estão

Num mar de maré cheia e vazia 


De: fernando ramos


 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:27


175 - BEIJA FLOR

por Fernando Ramos, em 09.11.16

  

 

BEIJA-FLOR


Eu quero o beija-flor

que vive em teu coração

Com ele sou feliz de amor

que me traz muita emoção


Voa, voa meu beija-flor

no jardim de sentimentos

Teu voar é alegria 

a esta vida de lamentos


Minhas flores te adoram

quando por elas vais poisar

Por ti brotam doces cheiros

que decerto vais amar


De te ver, feliz fico

minha avezinha pequena

Teu voar é de tanta graça

que minha alma sorri serena


Muito colorida és tu

como arco íris celestial

Até para trás voas,

meu bichinho de Carnaval


Beija-flor minha alegria,

bates as asas sem parar

Teu ruído é fantasia,

quando balanças no ar


de: fernando ramos



 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:20


174 - CALCORREAR POR LISBOA

por Fernando Ramos, em 09.11.16

  

 

 

 

CALCORREAR POR LISBOA


Calcorreando as ruas 

da minha velha Lisboa

muitas histórias vou encontrar

ligadas a locais maravilhosos

Os Monumentos, Museus e miradouros

Não são únicos na cidade de sete colinas

mas os Jerónimos, Panteão, Stª. Luzia, Stª. Justa

dá-nos uma panorâmica de toda 

a história desta secular Capital

 

Ir ao Parque das Nações almoçar

ou uma ida a Alfama

petiscar  sardinhas assadas 

beber bom vinho e ouvir o fado

ou até ir a uma tourada

é quase uma obrigação 

para todos que nos visitam 


Dar um passeio no Chiado 

ir à Brasileira tomar uma bica, 

ou ir aos modernos Centro Comerciais

é outra viagem que não se deve perder 

Enfim, tanta coisa boa e bonita 

que esta maravilhosa Capital possui

São pequenos e belos prazeres

que só uma cidade cosmopolita 

pode oferecer a residentes e forasteiros


Vendo Lisboa do Castelo S. Jorge

temos uma visão da baixa Pombalina 

que se estende até ao rio Tejo,

que no verão em dias espectaculares,

o brilho que o sol nos oferece,

nos deixa tão felizes e cheios de esperança,

de modo a ficarmos sempre gratos a Deus

por nos dar uma terra tão cheia de charme,

perfume, frescura e tanta beleza


Passear por Lisboa é sempre um enorme

prazer, tanto para nós como para os turistas,

que cá vêem sempre em grande número

Existem locais imperdíveis

além dos que acima cito, temos ainda 

as igrejas, ricas em muita história da cidade

como a do St. António,  S. Vicente e até a Sé

Lisboa, capital da tolerância, da beleza e do amor

onde o antigo e o novo se juntam

numa harmonia de bem viver

 

Passeando por ruas, becos

vielas e até avenidas,

a cidade oferece-nos um brilhozinho 

nos olhos, e um aperto no coração…


Calcorreando a cidade,

tudo nela vou encontrar

Uma Lisboa que vai na saudade 

e no coração de todos

que nela amavam morar


de: fernando ramos 


 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:40


172 - EX-COMBATENTE

por Fernando Ramos, em 09.11.16

 

 

EX-COMBATENTE


Tu ex-combatente

que defendeste a Nação

Seja qual for a tua patente

trazes a pátria no coração


Soldado que quase morreste

em algumas emboscadas

Com a vida a pátria defendeste

e hoje, elas são ignoradas


Em muitas noites na mata

perguntaste:

"Que andavas ali a fazer"

Hoje alguém te mal trata

és tu que está a sofrer


Escuta meu herói,

a pátria não te agradece

Eu sei que isso te dói,

será que o país te merece?


Perguntas se valeu a pena

por este Portugal lutares

Hoje que estás fora de cena,

querem lá saber dos ex-militares


Os ex-combatentes

tiveram sempre razão

Quando diziam às patentes,

que eram carne p'ra canhão


Muitas promessas te fizeram,

alguns políticos incompetentes

E eles pouco deram 

aos ex-combatentes


Mas a pátria não tem culpa

de políticos sem sentimentos

Nós mantemo-nos em luta

por isso seremos sempre 

COMBATENTES


De: fernando ramos


 




 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:15


171 - SAÍ COM UM DOIDO

por Fernando Ramos, em 08.11.16

 

 

SAÍ COM UM DOIDO


Amanhã aí vou chegar

desta minha doida viagem

Dela irei falar

de um belo personagem


Ele pensa que me deslumbrou

com todo o seu encantar

E até me provocou

deixando-me a dançar


Comigo ia acabando

diz com ar natural

Com ele até dancei um tango

dentro de um corral


Os dias que com ele passei

foi num gozo de fartar

Até de mão dada andei

que comigo já quer casar


O homem é tontinho

e não é coisa pouca

Dele não gosto um bocadinho

quer é dar comigo em louca


Vou mas é já embora

antes que ele vá chegar

Saio daqui p´ra fora,

e minhas malas vou levar


Esta viagem até foi boa,

E ele apareceu em boa hora

Volto rapidamente para Lisboa

adeus ó vai-te embora


de fernando ramos


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:20


170 - MADEIRA NOSSO BEM QUERER

por Fernando Ramos, em 08.11.16

 

 

 

MADEIRA NOSSO BEM QUERER

 

A Madeira que Deus fez

É uma ilha predestinada e bela

Quem lá vai p´la primeira vez

Morre de amores por ela

 

Dizem que é um jardim

O que a torna muito singela

Nós cá também achamos que sim

Por isso gostamos tanto dela

 

Aquela ilha é um encanto.

Para todos que lá moram

Os que a visitam acham um espanto

E ao sair de lá por vezes choram

 

Funchal meu amor

De ti, e de Porto Santo lembramos

Descubram por favor

Porque é que tanto vos amamos

 

Portugal é um país pequeno

E quase o conhecemos a fundo

Tem ilhas de mar sereno

Das mais bonitas do mundo

 

Minha ilha de muito esplendor

Lindas flores tens tu aí

Todos querem-te com amor

Porque não há uma outra assim

 

És terra de todos os amores

E as flores são de cor viva

Nessa ilha de mil sabores

Suas gentes o mundo cativa

 

Lindas flores de bem querer

Há na nossa ilha maravilhosa

Muitos gostam de lá viver

Sua vida harmoniosa

 

No meio do Atlântico estais

Nosso paraíso sem igual

Deus te fez sem nenhuns ais

Para seres de Portugal

 

Porto Santo e Funchal

Juntem sempre as vossas mãos

Todos nós somos Portugal

E p´ra sempre unidos irmãos

 

de: fernando ramos

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:12


169 - NOTÍCIAS DA ABELHINHA

por Fernando Ramos, em 08.11.16

 

NOTÍCIAS DA ABELHINHA


Noticias de um amigo

trouxe-me uma abelhinha

Se eram boas, pergunto com calminha 

esperem um pouco que já digo


Meu amor está com curiosidade 

de saber o que ela diz

Ainda agora chegou da cidade

e nenhuma pergunta lhe fiz


Abelhinha minha amiga

diz me lá por favor

O que se passa na cidade

p´ra dizer ao meu amor


E a abelhinha respondeu

que na cidade havia festa

Mas o povo a suspendeu

porque ela lá, não presta


Qual festa da cidade

pergunto eu que não sou tola

Era um baile de caridade

p´ra ajudar a nossa escola 


E ainda lhe perguntei mais

se o seu amigo estava lá 

Ela diz que ele está no cais 

à espera de vir para cá


O amigo, da abelhinha gosta

e com ela até namora

Dizem que já tem casa posta

e com ela até lá mora


O amigo de barco chegou

com ar de muita tristeza

É que a festa da cidade acabou

quando devia de ser uma beleza


Deixa lá meu amigo

nós fazemos uma festa de primor

A abelhinha dança  contigo

e eu danço com o meu amor 


E lá se fez a festa

e os quatro até dançamos

Que raio de dança é esta

porque logo ali casamos


de: fernando ramos



 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:10


167 - A MUSA DE CAMÕES

por Fernando Ramos, em 07.11.16

 

A MUSA DE CAMÕES

 

Violante, a musa de Camões,

Mulher de grande candura

Recebia dele seduções     

Em poesia de muita ternura

 

Camões, o grande poeta

P’ra sua musa bem escrevia

Poemas construídos com ética

Que a ela os dedicaria

 

Grande amor teve Camões

P’la sua querida Violante

Sua epopeia faz canções

Ao coração estonteante

 

Violante gostava de Camões

Sua musa de encantar

P’ra ela escrevia aos serões,

Poesia em lágrimas de amar 

 

Que grande mulher aquela

E como ele a desejava tanto

Todos diziam ser muito bela

P’ra ele, o maior encanto

 

Camões sonhava com Violante

Que era casada com o Noronha

Este descobriu num instante,

Tornando sua vida tristonha

 

O Francisco de Noronha,

Que era o Conde de Linhar

Tinha para sua vergonha,

O poeta, que a mulher ia roubar

 

Noronha, o Camões perseguia,

Por causa da sua esposa cativante

Porque ele, bonita lírica escrevia

Á sua querida Violante 

 

Era uma paixão perdida e bela

Que sofria com emoção

Seus cantos eram p´ra ela

Que os escrevia na frustração

 

Enorme paixão era aquela,

P'la sua enamorada Violante

Sua arte era tão bela,

Que p´ra ela escrevia distante

 

E lá sozinho foi andando, 

Mas nunca a deixou de amar

Nela se inspirou tanto

P´ra poemas que andamos admirar

 

de: fernando ramos

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


166 - SÓ PALAVRAS

por Fernando Ramos, em 07.11.16

 

 

166 (1) (1).jpg

 

SÓ PALAVRAS


Palavras carregadinhas de beijos

São palavras de amor

E há palavras que não se dizem

Porque algumas trazem dor


Palavras da tua boca

São de esperança e ternura

Elas me dizem tudo

Levando-me à loucura


Teus lábios palavras dizem          

Que meus lábios refrescam

Tão doces elas são 

Que a meus beijos se prestam


Teus lábios gosto de beijar

Traçando palavras de felicidade   

A eles vou sempre amar

Até à minha eternidade         


Há palavras que me levam

A dar volta ao universo

Mas o sabor dos teus lábios

P´la minha imaginação disperso


Palavras nossas num beijo

Quando à noite nos amamos

Elas nunca recusamos

Por serem murmúrios que damos 


de: fernando ramos


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:50


165 - PEDRAS PARIDEIRAS

por Fernando Ramos, em 07.11.16

PEDRAS PARIDEIRAS


Lá para os lados de Arouca

Existe algo de espantar

Pedras a parir pedras

Nós nem queremos acreditar


Vai muita gente as buscar

À aldeia da Castanheira

E outros vão lá catar

As pedras da parideira


Na serra da Freita vive a pedra mãe

Andando a parir pedras como filhos

De granito e redondinhas

Que se apanham pelos seus trilhos


Vão crescendo nas lajes

E de grandes, saltam p´ra fora

É a explicação do povo,

Informando a toda a hora


Começa na grande rocha mãe

Dizendo o povo que nunca vai morrer

Vai parindo pedra a pedra

E quem vem de fora, as catam a correr


Deixem as pedras parideiras

Nessa raridade de nascer

Por favor não as levem,

Porque sua mãe está a sofrer


Que a mãe pedra fique quieta

Na sua arte de parir e viver

Porque senão qualquer dia,

Não há parideiras pró povo ver


de: fernando ramos


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:47


164 - TEMPOS DE AMOR

por Fernando Ramos, em 06.11.16

164 (1) (1).jpg

 

 

 

TEMPOS DE AMOR


O sol, é o meu dia

As estrelas minha noite

A lua a minha luz

E tu o meu amor


A chuva, é o meu ar

O vento o meu pão

O mar minha vida

E tu, a minha satisfação


O tempo, o meu futuro

O dia, o meu amanhã

A primavera, o meu ser

E tu o meu viver


A noite, a minha incerteza

O calor a minha paixão

O inverno, o meu fim

E tu o meu saber


A neve, é um amor sem beijo

O frio, amor sem sexo

O outono, é uma vida sem amor

E tu, a minha emoção


de: fernando ramos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:54


162 - ADEUS AO QUE ESCREVO

por Fernando Ramos, em 06.11.16

 

 

ADEUS AO QUE ESCREVO


Da minha mão escrevo 

o que me vai na mente,

e ao colocar minha 

escrita numa folha de papel, 

ou num teclado do meu 

velho computador

Aí aconchego-me

no traçado das letras que dançam

com a minha fantasia

registando pensamentos

subtis e matreiros

ou apenas poesia de amor, 

talhando-as com lágrimas e sorrisos

Dizendo adeus

como se com um lenço branco 

acenasse à humanidade

Não me deixa alegre,

nem triste este gesto,

é o destino do que escrevo

com alma, prazer e sedução

Se é bom ou mau,

não interessa, o importante

é mostrar o que penso,

como se mostra o mundo

no seu melhor e pior

Não sei se alguém lê,

isso também pouco me importa,

o que é bom é eu escrever,

escrever sempre, sempre

com muito gozo e alegria,

e só isso me basta

 

de: fernando ramos


 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:52


161 - AMAR

por Fernando Ramos, em 06.11.16

  

 

AMAR


Amar é sentir 

o pulsar de nosso corpo 

entregue à chama

que arde intensamente

numa noite de loucura

infinita


Amar é como uma brisa

fresca que aparece p´la manhã

onde, nós entrelaçados

nos amamos para 

um destino que apetece

 

Amar é abraçar

teu sorriso que

silenciosamente

me perturba e 

desperta vontades

nunca negadas


Amar é soltar

emoções que a razão

desconhece,

mas que em teus

braços me fazem inventar

as estrelas das nossas noites


Amar é bom,

dizem os nossos poemas

que vamos construindo 

a cada momento que passa 

em nossa vida.

Amamo-nos sempre amor


de: fernando ramos


  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:35


160 - LIBERDADE

por Fernando Ramos, em 05.11.16

  

 

LIBERDADE


Liberdade, doce palavra

te peço humildemente

Que não me abandones na vida

sem ela, não sei olhar em frente


Liberdade no céu

e a liberdade na terra

É difícil conquistar,

p´los que estão em guerra


Liberdade é rezar

ao nosso crente Deus    

O teu, mesmo que não seja o meu

a ele agradeço em nome dos meus


Liberdade é a coragem

do mundo enfrentar

Menos livre será alguém

que fizer p´ra com ela não ficar


Liberdade até há morte

nós a ambicionamos

Mas quando a vida se vai

ela fica, e nós vamos  

 

Liberdade que estais em mim,

santificado seja o vosso nome

Livrais nos a todos da guerra 

e não nos traga a fome

 

de: fernando ramos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:07


159 - A NOSSA CARA FECHADA

por Fernando Ramos, em 05.11.16

 

 

A NOSSA CARA FECHADA


Essa cara fechada,

e essa tristeza de olhar

Traz sinais dos maus tempos

que nós estamos a passar


Nos campos os problemas são uns

e bem diferentes da cidade

O desemprego é para todos,

mas a cara não é tão fechada


As caras das pessoas

mostram problemas que tem,

uns são tão graves

outros, nem eu sei


Quem vê caras não vê corações

diz o povo na sua sabedoria

Mas os problemas de alguns

nem tu, nem eu os queria


Uma cara fechada

diz o que vai no momento

Olhando bem para ela,

vê-se logo sofrimento


Cada cara é um mundo,

e sei bem qual é os meus

Com problemas bem graves

se calhar iguais aos teus


Vamos todos animar,

p´ra nossas caras mudar

É que tendo cara alegre

a vida de certo, vai melhorar


A vida vai melhorar,

Deus bem queira que sim

A nossa cara é logo outra,

e essa eu quero p´ra mim


de: fernando ramos


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:02


158 - DOCES VERDADES

por Fernando Ramos, em 05.11.16

 

 

DOCES VERDADES


Doces verdades ditas

nos teus lábios,

são como estrelas 

cintilando no horizonte

As estrelas não mentem,

e teus lábios, o meu amor

não engana

Lembro tua boca, que me

enlouquece, quando

meus lábios nela se perdem

de beijos infinitos

Teu sorriso é uma luz

que me guia para teus braços,

e neles nossos corpos, 

se perdem no tempo

E teu ventre é como conchas

dos corais de várias cores,

que espera ansiosamente

pelo meu ser, que

a ti se entrega numa 

nervura intensa

E escreve teu nome

nas marés azuis, num 

oceano de desejos,

onde meu amor se afoga,

é a pura calmaria constante

que aquece minha alma

Serei a tua margem

que toca o horizonte do nosso amor

E as doces verdades ditas 

nos teus lábios,

a meu coração não engana


de: fernando ramos

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:08


157 - TEU SORRISO

por Fernando Ramos, em 04.11.16

157 fr.jpg

 

TEU SORRISO


Sei que é difícil,

mas preciso de ver teu sorriso

nesses lábios que desejo

Quero-o ter como presente,

mas tem de ser sincero

Não quero um sorriso falso.

tem de ser original

Daqueles que veem de dentro

e não enganam, 

que transmitem magia, sim magia, 

porque não?

Daqueles mesmo de boa fé

Tem de sair do coração

para ser de verdade

Um sorriso contente, dos mais alegres 

p´ra me deixar muito, e muito feliz

Não precisa de ser um dos sorrisos 

mais bonitos, mas tem de ser 

um sorriso sincero e bom

Esses é que são os verdadeiros,

os reais, aqueles que não enganam,

que nos fazem acreditar,

e nossos olhos cintilar,sonhar, 

ter esperança, amor

Daqueles que nos levam ás nuvens, 

e que nos fazem pensar 

que ainda vale a pena, 

ver um optimo sorriso 

Nem que eu tenha de viver

só mais um dia,

para ver teu sorriso

Para mim sorri,

sorri sempre meu amor 


de: fernando ramos


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:21


156 - O MAR

por Fernando Ramos, em 04.11.16

  

 

O MAR


O mar é grande e fundo

e não se vê seu final,

É quase todo o mundo

neste planeta sem igual


Suas águas de verde e azul

são cores que nos alegra  

Há quem o tente limitar 

gastando água sem regra 


Sua beleza é a maior,

que existe no mundo da terra

Mas com a poluição que vai p´ra aí

qualquer dia o mar encerra


Quando as ondas batem na areia

belas musas aparecem

Aos poetas trovadores,

muitos amores acontecem


Do mar não se avista seu fim

porque é largo e profundo,

E suas águas tão salgadas

dão bom sabor ao mundo


de: fernando ramos

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:37


155 - PASSADOS

por Fernando Ramos, em 04.11.16

  

 

 PASSADOS


Tudo o que já vivi eu recordo

por isso ando no presente,

lembrando tempos passados

Saudades, esperanças, e pensamentos

que alegram ou entristecem meu caminho


Mesmo quando não estou sozinho,

vou caminhando ao som de uma bela

sinfonia, que em cada passo,

faz vibrar lembranças que já tive

de outroras não muito distantes


Algumas coisas que faço, revive 

momentos que me traziam 

angústias desse tempo

E traça minha vida

futura num firme alento


E das lembranças dos meus 

passados, a novo amor me dou

Com o sentido que o mundo

que é a minha representação,

me faz amar com mais intensidade 


Passados, todos nós temos

o importante é olharmos 

o futuro num belo caminho 

com a certeza de que esta obrigação

foi comprida com o passado

descrevendo-o sem fazer desfeita


de: fernando ramos



 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:20


154 - UMA LEVE ESPERANÇA

por Fernando Ramos, em 03.11.16

 

154.jpg

 

 

 

UMA LEVE ESPERANÇA


Às vezes acredito,

penso, e até sonho

Outras vezes digo uma oração

e espero que apareças por aí

Sériamente julgo que vens,

preciso é de esperar

porque tu não vais faltar,

és pontual

 

Mas no fim...

Nada disso acontece,

faltas sempre

Não deveria esperar,

não vale mesmo a pena

Poderei ter sonhos,

até meditar em sofrimento

Mas esperar por ti,

nunca deveria acontecer


De nada serve sonhar

com teu sorriso meigo e olhar felino

ou ter ilusões a teu respeito

Tu não vens, e eu

no intimo até sei isso

Mas resta sempre, sempre

o leve acreditar,

que realmente tu vens,

te juntas ao meu amor


Por isso, penso, acredito

não desisto, até aposto

com amigos, e vê tu,

até tenho uma leve esperança


de: fernando ramos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:23


153 - MURMÚRIOS NA NOITE

por Fernando Ramos, em 03.11.16

 

 

MURMÚRIOS NA NOITE


Ouço a noite na sua chuva 

de estrelas brilhantes, 

nos seus plenos barulhos

Os grilos cantam sem parar,

contribuindo para que o silencio

não seja o todo poderoso desta noite


Ao longe, o mar talhava a leve brisa 

que me refresca,

ouvindo-se uma ou outra onda

que vai batendo na areia, 

marcando seu ritmo, 

e presença nesta 

noite de lua cheia

Fazendo notar,

que os grilos cantantes 

não se encontram sós


Sussurros se ouvem, 

de um par de namorados,

que se encontram perto,

quebrando também eles

num tímido jogo de sedução

o silencio que não consegue

perdurar na noite das noites,

que se vai prolongar 

até o aparecer da aurora, 

que chega com o sol,

que virá em todo seu esplendor

pondo um final 

a esta noite de murmúrios


de: fernando ramos


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:27


152 - A SAUDADE

por Fernando Ramos, em 03.11.16

  

 

A SAUDADE


A saudade não se explica,

sente-se, e muito,

faz doer, e muito

É um vazio deixado

que não se apaga no tempo,

por muito que se faça

ela permanece como uma dor

Pode ser p'la falta de alguém 

que amamos

e que nos completa, 

ou mesmo a falta de algum 

animal que nos é querido, 

e não nos deixa esquecer

bons momentos de aconchego

É uma ausência 

que nunca é suprida, 

e está constantemente 

num cantinho do coração 

A saudade nos acompanha

sempre, e perturba

a nossa razão 

E o tempo vai aumentando 

a triste saudade,

que teima em ficar


de: fernando ramos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:11


151 - PERGUNTAS

por Fernando Ramos, em 02.11.16

 

 

PERGUNTAS

 

Quantos abraços te dei?

 

Quantos beijos ficaram por dar?

 

Quantas palavras ficaram por dizer?

 

Quantas noites fiquei só?

 

Quantos sussurros trocámos?

 

Quantas vezes fizemos amor?

 

Quantas vezes te disse que te amava?

 

Quantas vezes fiquei sozinho?

 

Quantos, e quantas vezes

fizemos perguntas

E quantas respostas obtivemos?

Bem poucas, não foi?

 

de: fernando ramos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:46


150 - JUNTO DA LAREIRA

por Fernando Ramos, em 02.11.16

 

 

JUNTO DA LAREIRA


Foram embora os pássaros,

e todas as aves de verão

Finalmente está frio,

o inverno chegou!

Meu coração gelado

diz-me, que este vai ser

um inverno diferente

Vamos ter de ficar 

mais tempo junto 

da nossa lareira,

e novos sussurros 

de amor trocar

Como um poema

deixando o silencio

revelar-se... claridade

Mas como?

Se tu partiste 

com os pássaros,

e fiquei sozinho

Meu coração inerte,

e tão só, fica junto da 

nossa lareira

esperando que de novo 

os pássaros voltem, 

e tu com eles meu amor


de: fernando ramos


 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:35


149 - LUTANDO SÓ

por Fernando Ramos, em 02.11.16

 

 

LUTANDO SÓ


Por vezes estamos sós,

apenas rodeados da solidão 

companheira que muito nos magoa

E quando saímos de situações

complicadas, com o coração sofrido

pela injustiça, mais difícil se torna, 

mesmo quando estamos 

entre familiares e amigos

Ás vezes pensamos em desistir, 

e guardar para depois as nossas 

lutas e os nossos sonhos 

Tantas vezes voltamos para casa

com a sensação de não termos feito

o nosso melhor, e que algo 

se podia ter feito mais 

E vamos à luta por uma causa difícil 

que por vezes até dói, 

e aí, bom aí... cai a lágrima 

de toda a nossa desilusão, 

no preciso momento que não 

deveria ter acontecido

Algumas vezes pedimos a Deus 

que nos dê força, e um pouco de luz 

para momentos bem difíceis,

e também oramos ao nosso 

Anjo da Guarda para que ele 

nos ajude, e nos digam 

qual o caminho que devemos seguir

A resposta vem quase sempre

da maneira mais simples 

que alguma vez tínhamos imaginado, 

como um olhar cúmplice, um sorriso, 

ou um gesto de amor 

de alguém que nos é próximo

E nós, outras tantas vezes pedimos

e insistimos em prosseguir,

em ir à luta, ser amados e em acreditar

Continuando a pedir a Deus para 

nos abençoar, e indicar-nos

qual o caminho a percorrer, 

não o mais difícil, mas sim 

o mais bonito, e nós como sempre

complicamos tudo, como tantas 

e tantas vezes


de: fernando ramos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:43


148 - O JARDIM

por Fernando Ramos, em 01.11.16

 

O JARDIM


Próximo de minha casa

há um bonito jardim

Vou lá algumas vezes,

pois ele, não é só p´ra mim


É um jardim de boas áreas

muito verde e de bom ar

Bons dias lá se passam,

ele é óptimo para passear


Enormes árvores ele tem

e lindas flores também

Alguns lagos por lá há

Onde patos nadam bem 


As crianças ali brincam

com muita alegria e bom viver

Nos baloiços elas andam

e na relva rebolam de prezer


Muito bom é estar por lá

principalmente ao entardecer

É tão lindo o meu jardim

venham todos conhecer


de: fernando ramos



 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:03


147 - PINTOR OBSERVADOR

por Fernando Ramos, em 01.11.16

PINTOR OBSERVADOR


Sou um artista que observo

minuciosamente teu corpo

antes de o pintar

Gosto do jeito manso dele,

da seriedade a que se expõem

para minha tela

Fica sereno com gestos suaves

e requintados que me deixa

dar traços delicados


Teus olhos são misteriosos

e perturbadores de cor azul,

mil segredos eles guardam

de todos os olhares indiscretos

Como eu gostaria

de os desvendar,

bem antes de minha mão

os desenhar na tela,

e nela os colorir

nas cores dum fogo em chamas


Tua beleza me fascina

e na minha aguarela,

vai tomando forma

exuberante que seduz

Tua alma eu pintaria

com as mesmas cores 

maravilhosas do arco íris

Teu cabelo de negro

da noite sem luar

eu o deixava

com suaves devaneios


Faria de minha pintura

um modelo para a expor

a um escultor de muita arte

E ele que esculpisse

tuas brandas formas

preciosas e delicadas

E colocasse sua obra

no alto da montanha

ao pé dos deuses do amor

para que todos admirassem

com algum espanto

tua silhueta subtil

e graciosa

com o mesmo encanto

que meus olhos observam

e minhas mãos pintam

em tela branca,

onde tantos sonhos deixo


E o artista da pedra

com o seu cinzel

faria de ti um modelo

de escultura,

onde todos pudessem

ver a graciosidade dos teus

contornos subtis e primorosos

Com o mesmo encanto

que este pobre pintor observa


de: fernando ramos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:45


146 - ADEUS

por Fernando Ramos, em 01.11.16

 

ADEUS 


Estou sempre dizendo adeus,

como indo embora de ti 

Se um dia não voltar

para meu desencanto será


Estou sempre me despedindo

como de uma partida final,

de um encontro que houve

em jogos de nossas vidas


Estou sempre dizendo adeus

como se mais não te encontrasse

numa rua da nossa cidade,

é como se fosse a ultima vez


Contigo estou sempre de partida

é incompreensível nosso desencontro 

quando nós bem sabemos

que nossos seres se amam


Adeus meu amor... 

Os deuses não querem

que nossas almas se precipitem

nesta esplendorosa paixão ardente


de: fernando ramos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:38


Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Favoritos